Futebol e Pandemia
O retorno dos campeonatos de futebol no momento é um ataque aos torcedores e aos jogadores e demais profissionais do esporte.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Gabigol em ação pelo Flamengo | Alexandre Vidal/CR Flamengo

Reuniões estão sendo feitas para o retorno do campeonato carioca. Presidentes de Flamengo e Vasco já se reuniram com Bolsonaro e obtiveram o aval. Os dois mandatários também se reuniram com o governador do DF, que se propôs a aceitar os jogos do campeonato em Brasília. A Federação de Futebol do Rio de Janeiro se reuniu com o prefeito do Rio, Marcelo Crivela no último domingo, sem a presença de representantes de Fluminense e Botafogo, que são contra a retomada da competição no atual cenário de pandemia do novo coronavírus.

Na última segunda, a FERJ, desta vez com a presença de Fluminense e Botafogo, se reuniu com os clubes para discutir a possibilidade de retorno. Os dois clubes contrários ao retorno do campeonato divulgaram documento durante a reunião pedindo a impugnação de alguns itens da pauta. O Flu e o Botafogo consideram precoce o retorno das atividades e contestaram mudanças propostas no regulamento, principalmente a mudança de local de disputa para Brasília.

Mário Bittencourt, presidente do Fluminense, disse: “Seguimos na nossa posição de não retornar agora porque entendemos que a função social dos clubes de futebol é muito maior que qualquer situação econômica. Não podemos passar a ideia para a população em geral, em especial aos mais carentes, que neste momento está tudo voltando ao normal. As pessoas não estão cumprindo o isolamento social e então se voltarmos a jogar as pessoas podem se aglomerar em bares, nas casas de amigos e etc. Sobre o arbitral, já impugnamos e agora vamos pensar em outras medidas. Para tentar se valer do bom senso”.

É evidente a pressão da burguesia mundial para que a sociedade volte a funcionar rapidamente. Com a pandemia os prejuízos dos capitalistas se juntaram à incapacidade do estado burguês em organizar a sociedade para uma emergência sanitária e econômica. O que vemos é um total despreparo e desinteresse em ampliar leitos, distribuir equipamentos de proteção e proteger a vida da população. Com a ideia de que ficar em casa é “contraproducente” para a sociedade, toda a burguesia se manifesta a favor da reabertura de tudo, incluindo o futebol.

As ligas pelo mundo começam a ensaiar um retorno, na Alemanha o campeonato já reiniciou e aqui no Brasil querem surfar na mesma onda enquanto o país se transforma no principal foco mundial do novo vírus. A extrema direita no poder propaga a ideia de que as mortes são “inevitáveis”, que vão morrer mesmo milhares de pessoas “e daí?” e que o melhor mesmo é reabrir a economia e proteger apenas os velhinhos e doentes. Segundo o governo Bolsonaro, são esses os que morrem e os únicos que devem ser protegidos. A volta do futebol neste momento no Brasil é um ataque aos torcedores, por impossibilitar a ida aos estádios e promover aglomerações em bares e casas de amigos, além de ser uma medida perigosa que torna jogadores e profissionais que trabalham no esporte suscetíveis a contaminações.

É preciso que os trabalhadores, principais afetados durante essa crise – pois não podem ficar em casa e precisam trabalhar e se expor aos riscos do transporte público, das fábricas, dos galpões de telemarketing, das encomendas a ser entregues etc. – é preciso que os trabalhadores sejam organizados. É preciso reabrir os sindicatos, já e lutar pela não reabertura, por uma renda mínima maior que a esmola de 600 reais. Pela desburocratização do recebimento do auxílio emergencial. Por hospitais de campanhas de verdade, leitos e equipamentos. Por teste em massa da população e pela proteção total aos trabalhadores de serviços realmente essenciais.

Não dá para pedir tudo isso sem pedir o Fora Bolsonaro e Todos os Golpistas e Eleições Gerais. Estas são questões centrais num governo que já provou que sempre pode substituir um nome ruim por um pior. A luta parcial levada por parte da esquerda que pediu Fora Ministro A, Fora Ministro B não é eficaz. Estamos vendo o governo com apoio dos militares implementando medidas cada vez mais restritivas. Governadores fingindo combater a pandemia. É preciso mobilizar e ir às ruas para pressionar por medidas eficazes de combate à pandemia bem como lutar pela derrubada do presidente golpista e todo o grupo que o levou ao poder.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas