Campeão do mundo, Roberto Carlos defende Lula e diz que política está no futebol em entrevista

ROBERTO CARLOS(Brazil)07/07/98

A imprensa burguesa, com uma ajuda substancial da esquerda pequeno burguesa, tem todo um trabalho de destruição dos jogadores da seleção brasileira. Pressionam e atacam nossos atletas.

Para isso usam de tudo, como é o caso do “alvo preferencial” dessa Copa, Neymar, acusado – entre outros – de sonegação de impostos, por elementos da parasitária e golpista Rede Globo que há décadas recebem bilhões dos cofres públicos. Uma situação que evidenciaum verdadeiro ataque ao futebol, esporte majoritariamente negro e popular.

Contudo, se não bastassem esses ataques, silenciam diante de declarações de históricos craques da seleção brasileira. Roberto Carlos, lateral-esquerdo revelado pelo União São João de Araras que foi campeão da Copa de 2002 e jogou por diversos times do mundo, deu uma declaração à TV Rússia para o apresentador Rafael da Correa em apoio ao ex presidente Lula.

O lateral-esquerdo pentacampeão afirmou que a situação política brasileira é desastrosa. Comparou, enfocando um aspecto importante da economia nacional, a atualidade com o governo petista no passado. Segundo ele, “vivemos no Brasil uma situação política desastrosa. Com Lula, nós tínhamos pelo menos uma referência. Existia no Brasil a classe alta, a média e a pobre. Com Lula, eliminamos a pobreza. Agora, vivemos os problemas do aumento da gasolina, aumento do preço da comida, aumento do preços das passagens de avião“.

Ainda segundo o destacado lateral esquerdo e craque do Palmeira, Real Madrid e da Seleçaõ Brasileira, “voltamos a ser um país de terceiro mundo. Há três, quatro anos pelo menos não havia tanta diferença entre ricos e pobres”.

Essa percepção externada por Roberto Carlos à imprensa internacional, de uma maneira geral entre a classe a trabalhadora, é constatada dia após dia. Os jogadores de futebol, que contam uma minoria que conseguem bons contratos e uma certa estabilidade financeira, vieram de origem humilde e trabalhadora e por isso ainda mantém contato com a classe operária. Roberto Carlos expressa claramente essa realidade do brasileiro de origem proletária e humilde.

É hora de acabar com o golpe de estado, para reverter essas denúncias feitas pelo lateral pentacampeão, com a imediata anulação do impeachment de Dilma. A tarefa política para o momento é a luta pela liberdade para Lula e sua participação livre nas eleições.