Campanha salarial da ECT: golpistas enrolam na mesa de negociação

comando-de-negociao 19

As negociações da campanha salarial dos Correios, que iniciou no início de julho deste ano, chegou no ponto da direção golpista da ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos) apresentar a proposta econômica, apesar de que, nas propostas que empresa fez de outras cláusulas, os golpistas da direção dos Correios deixaram claras as suas intenções de roubar o dinheiro da categoria, através da retirada de direitos.

Na terça-feira (23), quando os representantes dos trabalhadores foram para negociações esperando que a direção golpista dos Correios apresentasse a proposta econômica, a direção golpista da ECT fez o oposto, entrou nas negociações reforçando a “necessidade” dos patrões de retirarem vale refeição/alimentação das férias e do final de ano.

Os golpistas querem que os trabalhadores façam o sacrifício de sujeitar-se a um salário menor, mais opressão, e menos direitos e benefícios, com argumentos bizarros.

A direção golpista da ECT anunciou que poderá apresentar a proposta econômica até o final do mês de julho, uma tática antiga, para impedir grandes expectativas dos trabalhadores dos Correios.

Outra alternativa, que vem sendo usada pela direção golpista dos Correios, é apresentar sua proposta para os trabalhadores dos Correios, através dos ministros biônicos e golpistas do TST (Tribunal Superior do Trabalho) como se fosse uma proposta original dos ministros.

É necessário lembrar que os ministros do TST sempre decidem do lado dos patrões, são representantes dos interesses capitalistas, por isso que a direção golpista da ECT sempre se sente bem quando o dissídio da categoria vai terminar na mesa dos ministros do tribunal.

É preciso creditar toda luta dos trabalhadores dos Correios na sua força de mobilização, abandonar de vez a ideia de fazer lobby no Congresso Nacional, ou achar que o TST é imparcial.

Os trabalhadores dos Correios precisam gritar Fora Bolsonaro bem alto, até que ele caia, pois é uma questão de vida ou morte para a categoria ecetista.