Ataque ao DCO
PCO faz campanha para aglutinar toda esquerda contra os ataques fascistas feitos ao DCO.
dco22
#EuApoioDCO | Foto: Arquivo PCO

O recente ataque ao Diário Causa Operária (DCO) tornou claro para toda esquerda brasileira que o fascismo não dá sinais de fraqueza, pelo contrário, se mostra em franca ofensiva contra toda e qualquer frente progressista.

A Nota Oficial do Partido da Causa Operária (PCO) lembra a todos que o PCO estabeleceu-se nos últimos anos como a vanguarda da luta contra o golpe de 2016, a prisão do ex-presidente Lula e a eleição fraudulenta de Jair Bolsonaro e teve como um de suas principais ferramentas o seu Diário On-line, o Diário da Causa Operária. Também foi dito que o ataque, ao contrário dos tradicionais ataques hackers, teve o intuito de destruir o conteúdo do jornal e, por conseguinte, o jornal em si.

A imprensa operária tem papel fundamental na história por unificar a luta dos trabalhadores, denunciando as situações de abuso contra a classe e orientando como esta deve agir. Portanto, o ataque ao DCO não trata-se de uma simples brincadeira, mas um ataque violento à classe trabalhadora.

É com foco nisto que cabe a todos militantes, filiados e simpatizantes aderirem imediatamente à campanha em defesa da imprensa operária. Cada um deve compartilhar a Nota Oficial do Partido com TODOS os seus contatos no WhatsApp (ou aplicativo similar) e pedir que leiam a Nota e digam o que acham. Em caso de reação positiva, deve-se pedir ao contato que grave um vídeo curto de, mais ou menos, 1 minuto, para divulgação nas redes sociais e na Causa Operária TV. Também deve-se pedir ao contato que compartilhe a nota em grupos e para seus contatos. Esta operação é simples e ajuda a nota a atingir o grande público.

Os participantes da campanha também devem entrar em contato com: representantes de sindicatos; associações de estudantes (grêmios, centros acadêmicos e diretórios centrais de estudantes); associações e movimentos populares (MST, ocupações, torcidas, MAB, MAM, grupos antifascistas, etc.); comitês, conselhos e associações (Comitês de Luta, Comitês Populares, Associações de Bairros, Associações Quilombolas, etc.); personalidades (artistas, cientistas, professores, profissionais da imprensa); pessoas públicas (dirigentes de organizações políticas); parlamentares (de esquerda obviamente) e grupos políticos (diretórios estaduais e municipais das demais organizações, grupos anarquistas, etc.).

Os companheiros devem buscar tanto contatos locais ou mais próximos, pessoas “comuns”, quanto pessoas de abrangência nacional ou internacional. O objetivo é aglutinar o maior número de pessoas em torno da questão e colocar isto como ponto-chave na união da esquerda contra o fascismo, a extrema-direita, a direita e o imperialismo. Portanto, o companheiro deverá estar bastante a par tanto do conteúdo da nota quanto dos conteúdos recentemente publicados na imprensa do partido.

Em cada reunião de Conselho Popular, Comitê de Luta ou coletivos (do PCO ou não), o companheiro deverá levantar o tema e explicar, de acordo com o contexto da reunião, a importância de se posicionar contra o ataque ao DCO. Por exemplo, em uma reunião da Corrente Sindical – Educadores em Luta, o tema do ataque ao DCO deve ser abordado a partir do ponto de vista dos educadores e como a imprensa operária vem se destacando na defesa da classe dos educadores.

Também é indicado aos companheiros que utilizem a hashtag #EuApoioDCO para a campanha chegue a mais pessoas nas redes sociais.

A seguir, links de vídeos e textos de apoio ao DCO para exemplificar o que é desejado com a campanha:

http://www.observatoriodaimprensa.com.br/imprensa-em-questao/veiculo-da-imprensa-operaria-e-alvo-de-hackers/

Relacionadas