Em sinergia com Bolsonaro
Nesta quinta-feira (20), a Câmara dos Deputados deu mostras de seu alinhamento com Jair Bolsonaro e manteve o veto à concessão de reajustes salariais a servidores públicos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
9jul2019---rodrigo-maia-conduz-sessao-que-deve-debater-a-reforma-da-previdencia-1562685579319_v2_1920x1290
Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados | Créditos: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Na quinta-feira (20), a Câmara dos Deputados deu mostras de seu alinhamento com Jair Bolsonaro e manteve o veto do fascista à concessão de reajustes salariais a servidores públicos. Embora o Senado tenha votado pela derrubada do veto, na quarta-feira (19), ambas as Casas do Congresso teriam que ter votado a favor da derrubada.

A votação, porém, serviu para dar destaque ao caráter reacionário da Câmara. Tirando as duas abstenções, com 316 votos pela manutenção do veto e 165 votos pela derrubada, ficou ainda mais evidente a impossibilidade de algum avanço efetivo por meio das instituições. Desta vez não houve choro, mas satisfação. Em plena votação, Rodrigo Maia foi à tribuna defender o veto e a derrubada definitiva da possibilidade de reajustes aos servidores.

“Não é possível que, com mais de 16 milhões de contratos suspensos de trabalho do setor privado, quase 2 milhões de desempregados [na pandemia], a gente não possa dar um sinal aos milhões de brasileiros de que o serviço público no mínimo não dará nenhum tipo de aumento até o próximo ano”, disse.

Não é preciso muito esforço para compreender a função desse governo. Os saqueadores do cofre público têm seus representantes. Para os bancos, tudo. Já para os servidores, nada. Nas palavras do ministro da Economia, Paulo Guedes, a decisão do Senado foi como “um crime contra o país”. Ora, o que esperar depois de R$1,2 trilhão entregue aos banqueiros e mais R$ 400 bilhões que o representante dos banqueiros pretende entregar?

De acordo com o fascista Jair Bolsonaro, seria “impossível” governar o País se a Câmara mantivesse a decisão do Senado. “Ontem (quarta-feira), o Senado derrubou um veto que vai dar prejuízo de R$ 120 bilhões para o Brasil. Eu não posso governar um país se esse veto for mantido na Câmara… É impossível governar o Brasil, impossível. É responsabilidade de todo mundo ajudar o Brasil a sair do buraco”, disse o golpista.

Falando em buraco, quando se trata de reduzir a fortuna dos bancos, o buraco é mais embaixo. Bolsonaro e seus asseclas são capazes de tudo para não mexer na fortuna dos banqueiros. Assim, para manter-se serviçal aos parasitas, os golpistas articulam a possibilidade de Estados e municípios usarem recursos do Fundeb para o pagamento de aposentadorias. O PSD, aliado de Bolsonaro, apresentou, no Senado, destaque para votação de emenda do senador Carlos Viana (PSD-MG), permitindo o pagamento de aposentadorias com o Fundeb.

É preciso destacar que a câmara vetou o projeto do senado sobre fim do congelamento de salários de servidores, ao passo que – unindo-se ao centrão – apoiaram o governo Bolsonaro, sendo, portanto, um dos principais articuladores dos ataques contra o povo. Ninguém menos que o “democrata” Rodrigo Maia, fiel representante do centrão atuando em sinergia com Jair Bolsonaro. Que fique registrado no histórico da esquerda frenteamplista essa política criminosa contra o povo. Não há espaço para dúvidas, a Frente Ampla é uma traição, um ataque contra a população.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas