Bancários
Com a medida provisória 905, os bancários que operam exclusivamente no caixa podem trabalhar até 8 horas diárias
Brasília - O deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi eleito presidente da Câmara dos Deputados, com 285 votos. (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Votação no Congresso Nacional. Foto: arquivo DCO. |

Seguindo as ordens dos capitalistas, dentre eles os banqueiros, o governo golpista do fascista Bolsonaro conseguiu a aprovação, na calada da noite, como é o modo de agir dos golpistas, na Câmara dos Deputados, a Medida Provisória 905/2020, ou seja, a medida chamada Carteira Verde e Amarela.

Resta ser aprovada no também golpista Senado Federal que pode aprovar, ainda nesta semana, uma vez que, na próxima segunda-feira expira o prazo de validade da MP 905.

Para os trabalhadores em bancos, com a implementação da MP, estes serão obrigados a trabalhar aos sábados, domingos e feriados e, o horário de trabalho será aumentado de 6h00 para 8h00, ou seja, um ataque frontal a uma conquista que data do século passado.

O governo fascista de Bolsonaro que deu aos banqueiros, através do Banco Central do Brasil, uma quantia nada desprezível de mais de R$ 1,2 trilhões, o equivalente a 16,7% do Produto Interno Bruto do país aos banqueiros, beneficiando, inclusive o golpista, banqueiro e ministro da economia, Paulo Guedes, que está impondo um retrocesso de quase um século na vida dos bancários. A MP 905 está rasgando o que sobrou da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), em benefício dos banqueiros e demais empresários, os usurpadores da classe trabalhadora e da população brasileira.

Um tremendo ataque às conquistas dos trabalhadores

De acordo com a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro da CUT (Contraf-CUT) a MP que originou o programa do contrato da Carteira Verde Amarelo, “permite que a jornada normal de trabalho dos bancários que operam exclusivamente no caixa possa ser prorrogada até 8 horas diárias, não excedendo de 40 horas semanais, observados os preceitos gerais sobre a duração do trabalho”. Antes os caixas trabalhavam somente 30 horas.

Atualmente “a atividade bancária é liberada aos sábados, domingos e feriados nas atividades de automação bancária; teleatendimento; telemarketing; serviço de atendimento ao consumidor; ouvidoria; áreas de tecnologia, segurança e administração patrimonial; atividades bancárias de caráter excepcional ou eventual e em feiras, exposições ou shopping centers e terminais de ônibus, trem e metrô”.

Nenhuma confiança nos golpistas do congresso

No artigo da Contraf/CUT, Jeferson Meira, secretário de Relações do Trabalho da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, classifica a votação como atípica. “No momento em que o Congresso tinha feito um acordo para priorizar os projetos de combate ao coronavírus é colocado em pauta uma MP que precariza ainda mais as relações e os contratos de trabalho, atacando novamente a CLT e a dignidade do trabalhador”. Pior ainda, a aprovação nesta semana é uma verdadeira insanidade.

Não há qualquer urgência em aprovar esta carteira verde e amarela. No momento em que os deputados deveriam se preocupar em aprovar medidas para socorrer a população, diante da pandemia em que vivemos, eles só pensam em retirar ainda mais direitos e beneficiar os empresários e os banqueiros. Não se deve confiar no Congresso dos golpistas, o que se deve fazer é organizar os trabalhadores para se insurgir contra tamanho ataque ao conjunto dos trabalhadores.

A direção da Central Única dos Trabalhadores, única entidade verdadeiramente representativa dos trabalhadores do País, precisa agir imediatamente. É urgente convocar um encontro para discutir um programa de emergência, das organizações dos explorados, diante da crise de saúde e econômica, para armar para a luta os sindicatos e outras organizações populares.

Nas grandes cidades, é preciso mobilizar para paralisar o transporte público, para proteger os trabalhadores do transporte, mas também toda população que está sendo obrigada a trabalhar sem qualquer segurança. Dentre outros, precisam ser paralisados os correios, onde mais de 100 mil trabalhadores continuam trabalhando sem qualquer proteção real. A paralisação deve seguir até que todas as medidas necessárias sejam tomadas para garantir a segurança e as condições de vida de todos.

Relacionadas