Caixa Econômica rumo à privatização: patrões intensificam ataques aos trabalhadores através das avaliações de desempenho

caixa_cef

A direção da Caixa Econômica Federal está impondo aos seus funcionários metas de venda de produtos através do meio coercitivo das avaliações de desempenho, com ameaças de descomissionamento.

A política de privatização do governo golpista de Michel Temer caminha a passos largos na Caixa Econômica Federal. Entrega da Lotex da Caixa, um dos setores de maior rentabilidade para o banco; o setor de seguridade; a quebra do monopólio da administração dos recursos do FGTS na ordem de R$ 300 bilhões para beneficiar os banqueiros parasitas do Bradesco e do Santander, etc. são as medidas que estão em andamento para liquidar com o banco público 100% estatal e entregar para os capitalistas.

Em mais uma dessas investidas privatistas a direção golpista da CEF está utilizando a avaliação de Gestão de Desempenho de Pessoas (GDP) como forma de coagir os funcionários como forma de pressão para que os mesmos atinjam as metas de vendas de produtos do banco. A nova medida, que atingia os comissionados, agora passa a abranger a totalidade dos funcionários, inclusive aqueles que não detém cargos comissionados. Tal determinação atingi principalmente os trabalhadores que ocupam cargo de caixa, que não é cargo comissionado e sim um cargo com gratificação. Os caixas estão sendo submetidos a um regime de escravidão nas agências: além de ter que enfrentar filas intermináveis, devido à falta de pessoal (a Cef reduziu recentemente o quadro funcional em 10 mil trabalhadores) serão obrigados a interromper o atendimento dos clientes nas filas para vender produtos do banco.

A ferramenta da GDP utilizada pelos banqueiros tem um só motivo: punir os funcionários para que cumpram com as metas de venda como forma de intimidação aos trabalhadores para que se submetam à política de maior exploração para aumentar os lucros dos capitalistas parasitas.

Toda essa política que está sendo colocada em prática na CEF – mesma política nos demais bancos públicos – é parte da ofensiva da direita golpista que visa única e exclusivamente a entrega do patrimônio do povo brasileiro para os banqueiros nacionais e internacionais.

Os bancários da Caixa não devem aceitar mais esse ataque da direção do banco, que vem, a cada dia aprofundando a política de escravidão aos trabalhadores bancários.