Caçado pela Globo, Crivella tem bens bloqueados por juiz do DF

36857379_206705356701587_8380092763479212032_n1531396346

O atual prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella teve seus bens bloqueados por um juiz de Brasilia. O juiz Renato Borelli, da 20ª Vara Federal do Distrito Federal, decretou o bloqueio dos bens de Crivella e de mais oito investigados em uma operação que apura contratos feitos entre Ministério da Pesca em 2012 e uma empresa de Manutenção de Equipamentos Eletrônicos. Na época, Crivella ocupava a pasta do Ministério da Pesca.

A investigação gira em torno de contratos supostamente superfaturados e acusações de aquisição de serviços sem necessidade por parte do ministerio

O caso, no entanto, não pode ser visto pelo seu lado jurídico, nos últimos meses o judiciário tem se revelado um verdadeiro aparato golpista, passando por cima das leis e dos direitos, como no caso recente do ex-presidente Lula, preso sem provas, o qual teve um habeas corpus legitimo negado pelo judiciário de forma totalmente arbitraria.

O caso de Crivella tem que ser analisado, portanto, pelo angulo politico, da violenta luta de classes estabelecida, inclusive, entre setores da burguesia. O atual prefeito do Rio de Janeiro, do PRB, não representa a ala central da burguesia golpista, que hoje busca a todo custo impor a politica do imperialismo no Pais. Crivella está ligado a setores da burguesia regional do Rio de Janeiro, a qual devido a seus interesses próprios, acaba impondo uma certa resistência a ala abertamente golpista. Integrante dessa ala, a Rede Globo, apoiadora do golpe de estado de maneira integral, durante as eleições para a prefeitura carioca partiu para a ofensiva contra Crivella, utilizando se inclusive da esquerda pequeno burguesa, de Marcelo Freixo, do PSOL.

Nas ultimas semanas se intensificou a ofensiva contra Crivella, com a tentativa de estabelecer o processo de impeachment do prefeito do Rio de Janeiro e, agora, o bloqueio dos bens pelo judiciário golpista.

É preciso ter claro que essa ofensiva não é dirigida pela população pobre do Rio de Janeiro, mas pelas alas mais golpistas da direita, como a própria Rede Globo.

O conflito entre esses dois setores da burguesia no Rio de Janeiro e uma expressão da divisão que ocorre também a nível nacional  entre tais setores.