Enfim, a cura…?
Mais uma vez, os números da eficácia da vacina Coronavac são escondidos da população. Segundo o Butantan, chineses pediram para aguardar.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
foto-ilustrativa-da-coronavac-desenvolvida-pela-chinesa-sinovac-em-parceria-com-o-instituto-butantan-1598378593280_v2_1920x1279
Vacina Coronavac desenvolvida pela chinesa Sinovac em parceria com Instituto Butantan | Foto: Cadu Rolim/Foto Arena/AE

O Instituto Butantan, do estado de São Paulo, divulgou nesta quarta-feira (23) que a vacina Coronavac atingiu o limite de eficácia mínima para que ela possa ser utilizada emergencialmente no Brasil. Ou seja, a vacina atingiu os 50% de eficácia necessários, segundo a OMS, para ser aprovada e utilizada contra a pandemia.

O diretor do Butantan, Dimas Covas, disse que a empresa chinesa Sinovac, que desenvolve a vacina, pediu mais tempo para divulgar o índice de eficácia.

O secretário de saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, esclareceu que a eficácia verificada no Brasil foi diferente da obtida em outros países e que, portanto, mereceria uma reavaliação.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas