Comunidade acadêmica é contra
Aprovação do EaD favorece burocracia universitária contra o interesse dos estudantes.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
unive
Conselho Superior aprovou a realização de atividades não presenciais em reunião virtual. |

Em reunião virtual do Conselho Superior do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), no dia 6 de maio, foi aprovada a realização de atividades não presenciais na instituição de ensino durante a pandemia do coronavírus.

Cada um dos campi deve decidir os meios adequados para que as aulas possam ser desenvolvidas, segundo aponta documento que validou o novo modelo.

Estudantes são contra a medida

Os estudantes em um perfil criado no Instagram, chamado Ifes Contra a Ead denunciam que as atividades à distância em cursos presenciais aumentam a desigualdade no ensino e promovem sua elitização.

Professores também relatam os problemas da diretriz

A professora Patrícia Soares de Andrade diz que a decisão exclui estudantes que não têm acesso à internet, ou quando tem, é em equipamentos inadequados, como celulares. Para ela, a realização das atividades não presenciais pode fazer até com que os estudantes tenham que quebrar o isolamento social, já que muitos terão que se deslocar para áreas com acesso à internet ou para locais onde possam utilizar equipamentos de maior qualidade.

É o mesmo caso dos trabalhadores técnico-administrativos, pois terão que ir até uma agência enviar o conteúdo das disciplinas via Correios, o que prejudica tanto os servidores como os alunos, pois o material pode chegar com atraso. A professora relata, ainda, que os docentes terão que adaptar para as atividades à distância o conteúdo das disciplinas, elaborado para aulas presenciais.

“O Ifes está realizando um curso de 60 horas para os professores fazerem a adaptação do conteúdo presencial para não presencial, mas o próprio instrutor falou que seriam necessários dois meses de curso”, ela diz.

Sindicato denuncia inviabilidade da medida

O diretor do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe), Thalismar Matias Gonçalves, destacou que a alteração do cotidiano de alunos e docentes também inviabiliza a qualidade das aulas.

“Temos alunos e professores com filhos em casa, alunos que têm idoso em casa para cuidar, que não têm quarto com privacidade para estudar”, declara.

Entidade se manifestou em oposição

O Fórum de Gestão Pedagógica (FGP) denunciou, por meio de nota, o fato de que a construção do documento aprovado na reunião não contou com sua participação. O Fórum destacou ainda a falta de participação da comunidade acadêmica em todas as esferas, ou seja, pais ou responsáveis, discentes, técnico administrativos e docentes.

Por meio de um estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o FGP apontou o cenário de exclusão digital no Espírito Santo que barra o acesso dos estudantes ao conteúdo das disciplinas. Segundo o IBGE, em 2015, no Estado, entre as pessoas com rendimento mensal domiciliar de até 10 salários mínimos 44,19% não tinham computador em casa.

De acordo com essa mesma pesquisa, entre os que têm computador em casa, ou seja, 55,81%, 13,36% não possuem acesso à internet. Para os integrantes do Fórum, essa realidade não pode ser desconsiderada pelo Ifes, pois em virtude da Lei de Cotas, de 2012, a instituição de ensino tem ampliado seus serviços para o público de baixa renda, “que apresenta necessidades pedagógicas e socioeconômicas específicas”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas