Duas faces da mesma moeda
O conflito está em curso, evidentemente. A ala da direita bolsonarista se coloca em choque com a ala da direita ligada ao centrão.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
design-sem-nome-5
Jair Bolsonaro e Marcelo Crivella | Antonio Cruz/Agência Brasil

Os desdobramentos relativos às candidaturas de Eduardo Paes (DEM) e Marcelo Crivella (Republicanos) deixam cada vez mais aparente o nível do conflito entre os diferentes setores da burguesia. Nesta segunda-feira, 21, em votação no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Rio de Janeiro, foi decidido – pela maioria dos desembargadores – que Crivella fosse alijado das eleições.

A inelegibilidade do prefeito, por sua vez, resulta do fato de Crivella ter utilizado a Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) para promover a campanha do filho, Marcelo Hodge Crivella. O fato se deu através de um evento realizado na companhia, onde o filho do prefeito foi apresentado como pré-candidato a deputado. Essa, no entanto, é uma das pontas do cabo de força. Na outra ponta, temos Eduardo Paes, velho conhecido da burguesia tradicional carioca, isto é, do “centrão”, que também corre o risco de não se eleger em hipótese nenhuma. Paes é acusado de ter recebido R$ 10,8 milhões de executivos da Odebrecht por meio de caixa dois de campanha em 2012.

O conflito está em curso, evidentemente. A ala da direita bolsonarista se coloca em choque com a ala da direita ligada ao centrão. Às vésperas das eleições, Eduardo Paes aposta nas denúncias contra Crivella para alavancar nas eleições, mas se torna réu por corrupção e lavagem de dinheiro. Por outro lado, Crivella busca tempo para se livrar do estorvo do judiciário. Com pedidos de vista, o julgamento foi interrompido, mas deve ser retomado na quarta-feira, 23.

Esse imbróglio não é mero acaso. Isso está inserido na briga entre Bolsonaro e a burguesia dita “democrática”. Crivella é o candidato de Bolsonaro no Rio de Janeiro, e Bolsonaro tenta reelegê-lo para ter um trunfo na manga para 2022 uma vez que o RJ, mesmo apenas o município, é a segunda maior máquina estatal e eleitoral do Brasil, atrás apenas de São Paulo. A outra ala da burguesia, no que lhe concerne, tenta impor Eduardo Paes no lugar de Crivella com apoio de uma parcela da esquerda (Marcelo Freixo), sendo ele o candidato da Rede Globo e da frente ampla. Nesse jogo com dados viciados, quem dá a cartada é a burguesia – seja a ala bolsonarista ou a ligada ao centrão.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas