Menu da Rede

Cuba Márcia Choueri

A burguesia e Bolsonaro

Burguesia tenta ressuscitar os defuntos do PSDB

A tentativa de ressuscitar os defuntos políticos do PSDB está inserida na campanha por emplacar um candidato mais controlável para derrotar o PT em 2022.

Reunião da Executiva Nacional do PSDB durante as eleições de 2018. – Foto: Valter Campanato/Agência Brasl/Fotos Públicas.

As contradições entre Bolsonaro e os setores mais importantes da burguesia são muito mal compreendidas por grande parte da esquerda nacional. É importante entender esse problema para poder analisar com clareza a operação política que está em curso nesse momento. Obviamente, não se trata de nada do tipo “democracia” contra “fascismo” ou “civilidade” contra “violência”. Essas diferenciações artificiais fazem parte da campanha atual da burguesia.

Em primeiro lugar, é necessário destacar que Bolsonaro foi escolhido como “plano B” nas eleições de 2018. A polarização política, consequência do golpe de 2016 e da reação popular a ele, pulverizou o PSDB e toda a direita tradicional. A tentativa de emplacar um candidato mais controlável teve como resultado a ridícula votação obtida por Geraldo Alckmin no primeiro turno e o apoio, mesmo que dissimulado, à candidatura do falastrão Bolsonaro.

Um problema central para a burguesia é que Bolsonaro tem apoio da burocracia militar e de uma base militante de extrema-direita. Esses apoios têm influência sobre a sua política, pois precisa usar o poder do cargo que ocupa para responder a esses setores. Não é segredo para ninguém que o alto escalão das Forças Armadas ganhou diversos cargos no governo, o que envolve dinheiro e poder político. E, por outro lado, precisa fazer demagogia com a militância de extrema-direita, o que estimula a polarização política e com isso a reação da esquerda. Vale apontar que os setores da burguesia que apoiam abertamente seu governo fazem parte do baixo escalão dessa classe social, empresários menores, que não representam, de fato, sua classe.

A tentativa de ressuscitar a tucanada

Diversos episódios recentes deixam escancarada a tentativa de reabilitar politicamente figuras que a população rejeita energicamente. A morte de Bruno Covas, por exemplo, serviu de pretexto para uma campanha ilusionista, onde o tucano seria um exemplo de civilidade e renovação política no país. Quem conhece a sua obra, sabe que sua atuação não teve absolutamente nada de civilidade, nem representou nenhuma renovação. A perseguição desumana à população sem teto, inclusive durante a pandemia, é apenas um dos pilares da política tucana na cidade de São Paulo que foi sustentado com entusiasmo pelo ex-prefeito.

Geraldo Alckmin é um caso complicado, até quando as manobras da burguesia conseguiam impor sua eleição, a absoluta falta de carisma lhe rendeu o apelido no estado de São Paulo de “picolé de chuchu”. A violência com a qual reprimiu greves e manifestações, além da sua associação à seita católica ultraconservadora Opus Dei, contribuem para dificultar sua reabilitação. João Dória, outra figura associada a uma “renovação” dentro do PSDB, apostou em uma espécie de demagogia cientificista durante a pandemia de Covid e teve enorme apoio dos monopólios da imprensa. A desmoralização da estratégia da quarentena, que nunca envolveu a maioria da população, e a paralisação da produção e vacinação com a CoronaVac, com a qual vinha tentando se autopromover, atrapalham os planos do atual governador de São Paulo.

A bola da vez da campanha para tentar ressuscitar os defuntos políticos do PSDB é o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. FHC destruiu uma parte gigantesca do parque industrial nacional no final do século XX e vem encabeçando uma tentativa de mostrar seu partido como um representante “democrático” da direita. O recente encontro que teve com Lula foi imensamente explorado pela imprensa burguesa. Associar um cadáver político ao lado do líder mais popular do país faz parte das movimentações mais atuais da burguesia, assim como a campanha de desgaste de Bolsonaro através da CPI. Vale registrar que outro tucano possível nessa manobra é o oligarca Ciro Gomes, que viveu grande parte da sua carreira política no PSDB e nos últimos anos procura se travestir de esquerdista para disputar votos petistas.

Como termina essa história

A tentativa de criar uma terceira via, mais controlável e estável, pela burguesia tem prazo de validade. É possível que a campanha siga a pleno vapor por mais alguns meses, porém não pode avançar demais em direção às eleições de 2022. Se a tentativa der certo, vão impulsionar com todas as forças o candidato “democrático” da direita, se não der, vão de Bolsonaro de novo e deixarão a campanha de desgaste arrefecer rapidamente.

Em qualquer caso, a tradicional campanha antipetista ganhará um novo capítulo nos monopólios da imprensa. A perseguição judicial a Lula e ao PT será retomada com toda a intensidade. Ao invés das “fake news” dos bolsonaristas, a poderosa máquina da imprensa burguesa vai bombardear a população com mentiras numa intensidade que só esses monopólios são capazes. A burguesia já deixou claro que não aceita Lula e o PT novamente, pois a militância petista é um fator que influencia a política do partido e a crise atual exige um nível de ataques à população que o PT não tem condições de praticar.

É preciso denunciar que a direita tradicional é tão fascista quanto Bolsonaro e que reabilitar o decadente PSDB é fortalecer um perigoso inimigo do povo brasileiro e, consequentemente, da esquerda. A única aliança que importa é com o povo e suas organizações.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.