Coronavírus
Anúncio de compra privada de vacina indiana mostra interesse dos capitalistas em restringir a vacina àqueles que tiverem condições de pagar por uma dose
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
vacina covid
Vacina contra COVID-19 | Foto: Dado Ruvic/Reuters

A esquerda pequeno-burguesa já está se preparando para entrar de cabeça em mais uma armadilha da burguesia imperialista: a da vacina contra o coronavírus. A euforia em torno da vacina, que até hoje não se provou ser segura ou suficientemente eficaz, é diretamente estimulada pelos capitalistas, que procuraram uma saída para o mais absoluto caos que uma nova onda da pandemia poderá causar. Não há, nem nunca houve uma corrida pelo “progresso científico” em torno da vacina contra a COVID-19, mas sim uma guerra pelo lucro. Nesta semana, fomos confrontados com mais uma prova disso: o anúncio da compra privada de uma vacina indiana.

A primeira notícia relacionada a esse evento se deu no dia 3 de janeiro, quando o presidente da ABCVac (Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas), Geraldo Barbosa, em entrevista à golpista Globonews, declarou que uma comitiva formada por representantes de clínicas particulares de vacinação iria para a Índia negociar a compra de 5 milhões de doses da vacina desenvolvida localmente contra o coronavírus, a Covaxin. Neste momento, a vacina se encontra na fase três de seus testes, e já recebeu autorização do governo indiano para o uso emergencial.

Segundo as expectativas de Geraldo Barbosa, a vacina já poderá ser largamente empregada a partir do mês de fevereiro. Segundo ele, a comitiva brasileira estaria firmando uma parceria com o laboratório asiático Bharat Biotech. Até o dia 10 de janeiro, o acordo deverá ser fechado.

A tentativa de comprar vacinas por parte de clínicas particulares é nada menos que uma privatização da vacinação no Brasil. Não se trata, obviamente, de uma questão de concorrência, ou de simplesmente acelerar a vacinação de um setor mais privilegiado da população. Se os golpistas conseguirem levar adiante o plano de privatização, a esmagadora maioria da população ficará completamente marginalizada de qualquer possibilidade de imunização.

Isso porque, ao mesmo tempo em que os capitalistas procuram, eles próprios, vender uma vacina para a pandemia, o governo Bolsonaro está sabotando uma política séria de vacinação. Até o momento, Bolsonaro não anunciou qualquer plano para vacinar o povo, e ainda tem aparecido debochando da situação da pandemia, que já matou 197 mil pessoas. Em uma das oportunidades, Bolsonaro chegou a dizer que quem tomasse a vacina contra o coronavírus poderia se transformar em um jacaré.

E não é só isso. Mais recentemente, Bolsonaro afirmou que não poderia “fazer nada” porque o País estaria quebrado. Se o Brasil estiver mesmo quebrado, a população não tem culpa alguma. Foi a sabotagem da direita ao governo do PT e a política neoliberal levada adiante por Michel Temer e Jair Bolsonaro que empurraram a economia ladeira abaixo. Se a própria direita é incapaz de administrar as finanças do Estado, que entregue aos trabalhadores! Pois são esses os maiores interessados em manter o Estado de pé, para lhe prover de tudo aquilo que a burguesia lhe tira.

E o “fazer nada” de Bolsonaro é, de fato, no que diz respeito à assistência social, aos direitos democráticos e aos direitos políticos é uma verdadeira monstruosidade. Bolsonaro ignorou completamente as condições de vida da população durante a pandemia, sabotando de todas as maneiras possíveis o auxílio emergencial. Ao mesmo tempo, viu-se livre para censurar cada vez mais a esquerda e restringir o direito à manifestação.

Na última quarta-feira (6), Bolsonaro foi ainda mais específico: afirmou que irá suspender a compra de seringas até que os preços “voltem à normalidade”. Levando em consideração que a demanda por seringas, neste momento, é gigantesca em todo o mundo, e levando também em consideração que todos os países enfrentam uma retração de seu Produto Interno Bruto (PIB), é difícil prever quando Bolsonaro encontrará preços “normais”. Trata-se, portanto, de um escárnio contra toda a população.

Mas a indisposição do governo de comprar seringas — quem dirá vacina — é bastante reveladora, e demonstra o casamento perfeito, para a burguesia, entre a inação total do Estado e a atuação das clínicas privadas. Segundo Geraldo Barbosa, “a vacina não vem pronta para uso, vamos depender de insumos que vamos negociar, mas ter o imunizante já é um grande passo”. Ou seja, o compromisso das clínicas é com a compra da vacina, e não com seringas e agulhas. E de onde viriam, então, as seringas e agulhas?

Viriam do próprio Estado, é claro! Como em toda privatização, não basta para burguesia limitar um determinado serviço a um número restrito de pessoas, mas também se faz necessário obrigar o Estado a financiar parte significativa de seu empreendimento. Quando uma estrada é privatizada, a grande parte do investimento é feito pelo Estado, restando às operadoras apenas administrar o lucro dos pedágios. Aqui a situação é semelhante: as clínicas entrarão com o menor recurso possível, chantagearão o Estado e ainda lucrarão horrores em cima do desespero da população. Bolsonaro pode dizer, por ora, que não quer comprar vacina ou insumos. Mas se tiver o pleno apoio da imprensa e estiver sendo pressionado de todos os lados pelos capitalistas, acabará cedendo e fazendo da vacinação um negócio espetacular.

E no que depender da imprensa burguesa, a campanha já começou. Em artigo de opinião do Estado de S.Paulo, intitulado “Vacina de onde vier”, a burguesia já deu a dica: “o mercado privado mundial de vacinas existirá a despeito disso. É melhor tirar proveito inteligente dele do que virar-lhe as costas”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas