Menu da Rede

Dia 18: às ruas contra a reforma administrativa, Fora Bolsonaro!

A bandeira do povo é vermelha

Burguesia faz campanha para bolsonarizar os atos vermelhos

As manifestações são da esquerda e devem continuar sendo. Não há espaço para coxinhas, para os defensores do golpe de estado e os responsáveis pelo genocídio da população

Em meio a crescente radicalização da população brasileira, a burguesia teme que o movimento de fato se desenvolva ao ponto de derrubar o regime golpista. – Reprodução

As manifestações ocorridas no último dia 19 foram responsáveis por confirmar a evolução do movimento de luta contra o regime golpista. As manifestações dobraram de tamanho em todo o País e também se expandiram para mais cidades, seja no Brasil ou no exterior. No total, de acordo com a Rede Brasil Atual, ligada ao Partido dos Trabalhadores, pelo menos 475 cidades tiveram manifestações neste sábado, confirmando a tendência de crescimento da mobilização.

Em meio à crescente radicalização da população brasileira, a burguesia teme que o movimento de fato se desenvolva ao ponto de derrubar o regime golpista. As manifestações já começaram a sair do controle do regime político que vem se desgastando cada vez mais, na medida em que os trabalhadores saem às ruas para protestar. Sendo assim, a imprensa burguesa decidiu de vez lançar-se na campanha de confundir a mobilização e infiltra-se nela, visando derrotar todo o movimento dos trabalhadores.

“As manifestações são de esquerda e devem permanecer assim”

Com isto, assim como em 2013, a imprensa burguesa iniciou uma forte campanha em torno da utilização das cores da bandeira nacional, o verde e amarelo, nas manifestações e na campanha de que as manifestações não podem ser unicamente da esquerda, mas sim de um setor mais “amplo” da sociedade.

A campanha ficou descarada já quando a Rede Globo decidiu focar sua cobertura das manifestações justamente nos setores mais confusos e infiltrados nos atos. Assim, as bandeiras verdes e amarelas, quase inexistentes nas manifestações dominadas pelo vermelho, apareceram em grande destaque nas coberturas. Agora, com o passar das mobilizações, a imprensa por meio de seus principais órgãos decidiu aumentar o tom.

O colunista Ricardo Rangel, escritor da revista Veja, grande apoiadora do golpe de estado de 2016 e das manobras que iniciaram-se em 2013, lançou uma matéria intitulada “Deixe a bandeira vermelha em casa”. Segundo o escritor, os “manifestantes de todas as cores precisam eliminar a pecha ‘de esquerda’ no movimento”.

A declaração é cínica, e revela uma campanha da qual o movimento passará a enfrentar em maior escala. Em sua conta oficial no Twitter, Rui Costa Pimenta, presidente nacional do Partido da Causa Operária (PCO) se pronunciou:

“Para os que nunca entenderam o que aconteceu em junho de 2013 basta ver a campanha golpista de sempre (Globo etc.) para que a esquerda abaixe suas bandeiras e entregue a mobilização para os que colocaram Bolsonaro no poder e agora não sabem o que fazer”.

Como afirma Rui, “as manifestações não tem ‘pecha’ de esquerda. São de esquerda e devem permanecer assim. A palavra de ordem para a direita golpista: coxinha, fique em casa”. Ou seja, a campanha feita pela revista Veja é um completo absurdo, quem mobiliza a população contra o governo Bolsonaro é unicamente os movimentos populares e os partidos da esquerda. A burguesia, mesmo seus setores “civilizados”, são a base de apoio do regime golpista, e são os principais apoiadores do governo Bolsonaro.

A chamada “terceira via” de candidatos supostamente “progressistas”, como Ciro Gomes, representam na realidade apenas uma barreira à mobilização. Nem Ciro nem FHC, nenhum “verde e amarelo”, mobiliza alguém para sair às ruas e pôr abaixo o regime golpista, mas sim, servem como fator de confusão e agentes contra a mobilização popular.

A bandeira dos trabalhadores sempre será vermelha

Outra matéria de destaque, esta extremamente rasteira, foi a coluna de Eliane Cantanhêde, para O Estado de São Paulo. Nela, a colunista afirma logo em seu título de que a “bandeira nacional não é exclusiva dos atos golpistas, nem a do PT é a única nos atos de oposição”.

A jornalista de um dos principais jornais burgueses do Brasil, busca colocar que as “manifestações contra o governo também mostram faixas, cartazes e manifestantes em cores neutras ou ostentando o verde e amarelo, que é de todos, não de bolsonaristas nem de petistas”. Utilizando a cobertura farsesca da imprensa burguesa, Catanhêde defende com o “verde e amarelo” esteve presente em grande número nas manifestações e que haveria uma divisão nos atos, entre os setores “de vermelho do ex-presidente Lula” e de manifestantes que não são “bolsonaristas nem petistas”.

Como se se preocupasse com o crescimento do movimento, a colunista coloca que “se as manifestações forem ‘do PT’, milhares que são contra Bolsonaro, mas não votam em Lula, ficarão em casa”. A declaração não poderia ser mais falsa. Segundo as pesquisas manipuladas da imprensa burguesa, Lula é disparado o candidato com maior popularidade, ultrapassando os 50% de aprovação.

Na classe trabalhadora, sua candidatura é praticamente unânime, revelando inclusive seu grande caráter mobilizador. A campanha que a imprensa burguesa faz é tentar transformar os atos populares, ou seja, vermelhos e da esquerda, em manifestações coxinhas, como feito em 2013, e as manifestações bolsonaristas feitas no último período.

Realizar uma intensa mobilização vermelha

Os trabalhadores precisam sair às ruas com a sua própria bandeira e reivindicações. Esta bandeira é a bandeira vermelha, a bandeira da mobilização da classe operária. O verde e amarelo representa a demagogia rasteira e fascista da direita brasileira, que camufla-se atras da bandeira nacional para defender o genocídio contra a população.

As manifestações são da esquerda e devem continuar sendo. Não há espaço para coxinhas, para os defensores do golpe de estado e os responsáveis pelo genocídio da população trabalhadora. Por isso, é fundamental realizar uma forte campanha de mobilização junto a classe operária, nos bairros populares, organizar em peso as próximas manifestações, com muito vermelho, com Lula nas ruas, impulsionando à esquerda o movimento e impedindo que burguesia tente “bolsonarizar” os atos vermelhos.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.