Frente ampla em ação
A burguesia quer afastar a polarização das eleições municipais como meio de agrupar uma base para sua política
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bolsonaro-quebra-queixo
Jair Bolsonaro tenta acumular forças nos municípios para 2022 | Foto: Marcos Corrêa/PR

O pleito municipal no Brasil é conhecidamente despolitizado. O debate em geral se restringe a propostas mirabolantes e sem sentido e a baixezas constrangedoras entre grupos e famílias que disputam o controle dos municípios, e nem mesmo nas grandes cidades e capitais o debate sobe muito de nível. A imprensa capitalista, golpista, estimula sempre tal baixeza, mas nessas eleições tem motivos especiais.

As eleições de 2020, que ocorrem em meio ao golpe de Estado, que não fogem à regra, carregam consigo, porém um diferencial, uma sombra: as eleições de 2022, ou seja, o problema do golpe de Estado e do governo golpista de Bolsonaro. A imprensa capitalista desde já denuncia o caráter nacionalizado que as eleições municipais podem ganhar, ao mesmo tempo trabalham freneticamente no sentido de acumular forças, utilizando-se da esquerda, para poder se “contrapor” ao bolsonarismo nas eleições de 2022, a política da frente ampla.

Um jornal conservador como o Estado de São Paulo, em editorial, “Bolsonaro no palanque”, critica o atual presidente por estar utilizando as eleições no sentido de fortalecer-se para 2022, sobretudo na cidade de São Paulo, a mais importante do ponto de vista econômico e eleitoral do País. Seria uma utilização ilegítima deste instrumento para fortalecimento de projetos pessoais pelo, digamos nós, fascista Bolsonaro.

Com seu cinismo característico, esse órgão da burguesia quer fazer-nos crer que as eleições municipais são somente para discutir questões técnicas das cidades, transporte público, saúde, educação etc, coisa que é feita de alguma maneira de quatro em quatro anos sem resultar em muita transformação na vida do povo. Segundo eles, a eleição deve ser puramente provinciana, ou seja, um debate que não estimule a polarização política, uma vez que a radicalização política é um fator impeditivo à política da frente ampla, uma vez que a população tende a se deslocar para os polos, no caso, a esquerda, representada pela candidatura do ex-presidente Lula e o Bolsonarismo.

O alvo da crítica não é somente o nomeado Bolsonaro, como também o ex-presidente Lula, que não é nomeado, ou seja, os dois principais candidatos que polarizam a situação política. Há desde já uma articulação em torno da candidatura do ex-presidente Lula, política aliás defendida pelo PCO. Tornar as eleições, ao contrário da baixeza que costuma ser, em um embate entre o povo e o golpe, entre a frente única da esquerda agrupada em torno da candidatura do ex-presidente Lula e o bolsonarismo é tudo o que a burguesia tradicional, a frente ampla, não quer e é justamente o que devemos realizar.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas