Menu da Rede

7 vezes em que a esquerda serviu de papagaio da direita

Crise

Burguesia entra crise com salvo conduto à Pazuello

A participação de Pazuello em atos políticos acendeu o alerta para a burguesia, que quer evitar que os soldados, cabos e sargentos participem das mobilizações da esquerda

No contexto da polarização, as forças armadas tendem a se dividir em linhas de classe – Reprodução

A decisão tomada pelo Comandante do Exército Paulo, Sérgio Nogueira de Oliveira, respaldada pelo Alto Comando da Força, de não punir o general Pazuello por participar de um ato político-partidário com o presidente fascista Jair Bolsonaro (ex-PSL, sem partido) abriu uma crise no bloco político burguês.

Desde que Bolsonaro assumiu a presidência da República, como resultado do golpe de estado de 2016 e da fraude eleitoral de 2018, a burguesia traçou uma política cujo eixo central é “colocar Bolsonaro na linha”. Os ataques por parte da imprensa capitalista ao governo federal mostram que a linha colocada em prática era essa.

O grande receio é que o presidente fascista consiga obter uma independência da estreita linha política traçada pela burguesia para controlá-lo. O fato de ele se apoiar nas forças armadas e ter mais de 12 mil militares da ativa e da reserva em todos os escalões do governo federal sempre foi visto com preocupação. Contudo, para minimizar o apoio dos militares ao governo, dizia-se que os militares eram da reserva, aposentados, “apolíticos” e que não tinham influência sobre a tropa.

A mitologia política da direita declarava que as forças armadas eram “instituições de Estado”, “profissionais” e impermeáveis às pressões políticas que refletem a luta de classes na sociedade. O caso Pazuello demoliu, de uma vez por todas, esses mitos. O Alto Comando das forças armadas aparece pelo que, na realidade, é: o núcleo-duro do bolsonarismo, uma verdadeira chocadeira do nazifascismo.

Os militares da ativa e da reserva tiveram papel de destaque na articulação golpista de 2016 e participaram na fraude eleitoral de 2018, que se consumou com a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Em determinados momentos, os generais do Exército deram declarações públicas que ameaçavam o País, caso Lula fosse solto e pudesse concorrer às eleições. O profundo envolvimento com o governo Jair Bolsonaro demonstra que se há algo que os oficiais do Exército, Marinha e Aeronáutica fazem, é a política. Se há algo que se faz nos quartéis, além de se treinar para reprimir o povo, é política.

O receio da burguesia, expressa pelas matérias nos jornais da imprensa capitalista, é que o exemplo Pazuello sirva como um estímulo para que os praças (soldados, cabos e sargentos) também se envolvam abertamente na política. Isto é, para os oficiais superiores (coronéis e generais), ligados por mil fios à classe dominante, é tolerável a participação na política, desde que se faça isso discretamente. A participação de Pazuello nos atos bolsonaristas acaba por escancarar o que a burguesia se esforça para esconder.

Os praças não têm os mesmos interesses e condições de vida do que os oficiais superiores das forças armadas. Em contextos de grande polarização política, de intensificação da luta de classes, a experiência histórica demonstra que as forças armadas tendem a se dividir em linhas de classe, entre burguesia e proletariado. A crise no interior da burguesia reflete o medo da divisão das forças armadas e o alinhamento dos praças com a esquerda, principalmente com a aproximação das eleições presidenciais de 2022.

Há contradições entre os distintos setores da burocracia militar, a base de pirâmide e o vértice. A pressão da burguesia pela punição de Pazuello, que não aconteceu, visava passar o recado de que os militares não poderiam participar das atividades políticas, no caso, da esquerda. O que a classe dominante não quer é a politização pela esquerda nas bases das forças armadas.

É preciso destacar que os militares, todos, devem ter os direitos democráticos garantidos. Devem ter o direito de filiação partidária, de se manifestar publicamente sobre a situação política do país, de organizar sindicatos e se mobilizar pelas reivindicações que consideram justas. O Alto Comando faz política, mas aos praças é vedado esse direito.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.