Bruno Covas quer aprovar na marra a destruição da Previdência do funcionalismo

grevesp

Da redação – Após as greves e manifestações contra a reforma da previdência do município de São Paulo as negociações para retomada sobre o tema continuam travadas, o assunto causou um enorme desgaste para a administração do prefeito golpista João Doria, e de seu testa de ferro agora à frente da prefeitura, Bruno Covas.

Ambos tentam a todo custo acabar com a previdência dos funcionários públicos de São Paulo, usando a desculpa do deficit nas contas da previdência municipal.

Assim como a previdência federal a do município é mantida com dinheiro descontado do salário dos servidores e com uma contra partida da prefeitura, para os funcionários a conta é simples, se o governo descontou do salário ele tem que manter os pagamentos das aposentadorias depois que o funcionário não mais esta na ativa.

Se a prefeitura não tem ou não tinha competência para gerir a previdência não assumisse essa responsabilidade, com certeza não foram os trabalhadores que pediram isso.

Dessa forma aos olhos do trabalhador não existe nenhum motivo para reformar a previdência, basta a prefeitura honrar com os seus compromissos é parar de beneficiar a iniciativa privada com isenções e benefícios fiscais que só fazem diminuir a arrecadação municipal.

Os trabalhadores devem ficar atentos e voltar às ruas caso o prefeito tente novamente colocar em pauta esse projeto que visa tão somente acabar com o serviço público de São Paulo.