Judiciário dos EUA
Com a nova vaga na Suprema Corte, Trump e republicanos articulam escolha do no juiz em tempo record, como uma forma de aparelhar o Estado
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
636657289439213511w
Extrema-direita na corrida para preencher os cargos vagos da Suprema Corte | Foto Reprodução

Com a morte da juíza Ruth Bader Ginsburg, em plenos últimos dias da presidência de Donald Trump, foi dado início a uma corrida de campanha para substituir a jurista liberal na próxima eleição de novembro, dando apenas 38 dias no cronograma para o Senado agir.

O senador republicano, Micht McConnell – que afirmava que queria ocupar a cadeira antes 2021 – declara: O Senado tem tempo mais do que suficiente para processar uma indicação. A história e os precedentes deixam isso perfeitamente claro.”

Se analisarmos a história recente, é nítido que o discurso de McConnell é totalmente demagogo e mentiroso, uma vez que os republicanos se recusaram a sequer considerar a nomeação do ex-presidente Obama, para o juiz Merrick B. Garland – em 2016 – por quase nove meses antes das eleições, alegando que os eleitores devem ter uma palavra a dizer sobre quem preencheu a nomeação vitalícia.

Desde 1975, a confirmação média da Suprema Corte leva cerca de 70 dias, e apenas dois casos foram mais rápidos: os juízes John Paul Stevens em 1975 e Sandra Day O’Connor em 1981, ambos aprovados por unanimidade. Desde que Justice Ginsburg foi confirmado com pouca resistência em 1993, nenhuma confirmação levou menos de 62 dias.

Embora o Senado tenha aprovado outros indicados para o tribunal em anos eleitorais, nenhum foi confirmado tão perto de uma eleição presidencial, em toda a história americana.

E com essa corrida, Trump deixa evidenciado a sua favorita: a juíza Amy Coney Barrett do Tribunal de Apelações do Sétimo Circuito dos Estados Unidos em Chicago. Com uma pauta conservadora e antiaborto, Barrett é a posta do fascista para mudar o centro ideológico do tribunal para a direita nos anos seguintes.

Com Trump se aproximando de Biden nas pesquisas, a briga pela suprema corte fica diretamente conectada com as eleições presidenciais, onde o genocida Trump tenta impor uma representante contra a outra ala da burguesia, o que seria uma vitória importante para a extrema-direita trumpista, principalmente se Trump conseguir se reeleger.

Na verdade, o que estamos vendo, é uma tentativa de aparelhar o Estado, por parte dessa extrema-direita.
Assim como no Brasil, um juiz da Suprema Corte norte americana também é um cargo vitalício, algo que é totalmente aberrante e anti-democrático e, independente de quem seja o escolhido, todos eles têm a mesma coisa em comum: todos são aprovados por Wall-Street, ou seja, mais um juiz para o hall de capachos da burguesia norte americana.

Todos com objetivos totalmente divorciados de uma justiça democrática, que só ocupam as cadeiras para atender aos interesses dos banqueiros e grandes corporações. Porém, essa atual corrida para a escolha do novo nome torna-se mais descarada. Nunca houve uma escolha em um tempo tão curto e, tal procedimento, é apenas para que os tentáculos da extrema-direita esteja solidificado no aparato judiciário.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas