Para controlar o futebol
Para extrair mais lucros ainda do futebol os capitalistas precisam aumentar sua dominação via VAR.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
1_unfpUH1_s7EZNV4MeHueJQ
Imagem do arbitro consultando o VAR | Foto: Reprodução

O grande destaque da última rodada do brasileirão mais uma vez foi o VAR, o árbitro de vídeo que interviu em diversos jogos. A não marcação de um pênalti sobre o chileno Eduardo Vargas, aos quatro minutos do primeiro tempo, deixou os jogadores do Atlético revoltados na partida com o Corinthians, neste sábado, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Galo venceu a partida, de virada, por 2 a 1.

No lance, o atacante atleticano ganhou na corrida do zagueiro Gil, foi tocado e caiu na grande área. O árbitro Rodrigo Dalonso Ferreira, de Santa Catarina, mandou o jogo seguir após contato de áudio com o colega Pathrice Wallace Corrêa Maia, do Rio de Janeiro, responsável pelo VAR.

Ao sair de campo, o lateral-esquerdo Guilherme Arana que foi convocado para a seleção brasileira pelo técnico Tite questionou, o uso do VAR no Brasil, uma vez que só alguns lances são revisados. “Não sei por que existe esse VAR, eles não revisam. Não é só porque foi um lance claro de pênalti pra pra gente que estou falando, mas até hoje não entendo por que tem o VAR no Brasil. Não sei, eles não olham. Foi pênalti claro, todo mundo viu”.

No Twitter, o vice-presidente do Atlético, Lásaro Cândido da Cunha, ironizou a CBF e criticou o uso do VAR no Brasil. “Na entrevista ‘despedida’ desta última quinta-feira, dia 12.11., reafirmei o que já falo já há alguns anos: o VAR sem vídeos e áudios expostos publicamente permitiria criar um ‘submundo’ da arbitragem …’ir na CBF p protestar’? O ATLÉTICO faz isso há 100 anos”. As críticas ao arbitro de vídeo não são somente dos clubes da série A. O VAR também foi criticado pelo cruzeiro na serie “B”. Pathrice Wallace Corrêa Maia, responsável pelo VAR no jogo entre Corinthians e Atlético, foi alvo de críticas da diretoria do Cruzeiro após o empate por 3 a 3 com o Guarani, no Mineirão, pela 21ª rodada da Série B. Naquela partida, ele foi o árbitro principal e expulsou o atacante cruzeirense William Pottker aos 11 minutos da etapa final por um suposto tapa no rosto de Bidu, lateral-esquerdo do clube campineiro. Imagens da partida mostraram que não houve falta do jogador celeste.

O time do São Paulo também protestou contra o VAR, apesar da vitória contra a equipe do Fortaleza por 3×2 na noite deste sábado, na Arena Castelão, a reclamação do tricolor paulista foi por causa da validação do primeiro gol do time cearense, marcado por David, que abriu o placar no primeiro tempo.

A diretoria do São Paulo pediu à CBF a apresentação das imagens utilizadas pelo VAR, que detectaram posição legal de David após um lançamento. Em campo, a marcação foi de impedimento. Depois da consulta ao vídeo, o gol acabou validado.

Os erros rotineiros do VAR, tiraram a paciência de torcedores jogadores na partida entre Botafogo e Internacional do Engenhão RJ, o goleiro Gatito Fernandes chutou a cabine onde ficava o monitor do Var no final da partida, após diversas intervenções polêmicas do árbitro de vídeo que mudou o resultado da partida e levou o glorioso à derrota. E Gatito cumpriu pena de três jogos de suspenção além de pagar uma multa de R$ 26,6 mil reais.

Com o pretexto de resolver os problemas de arbitragem, o VAR foi implementado. Mostrou-se uma grande farsa. Os problemas pioraram, com um agravante: aumentou a intervenção da arbitragem externa nos jogos, ou seja, aumentou a manipulação.

A sociedade capitalista é altamente dominada pelas ferramentas de controles ideológicos do Estado (Justiça, imprensa, igrejas e etc.), o futebol é um esporte extremamente popular e faz parte da cultura do povo brasileiro e é uma fonte enorme de lucros para os capitalistas, sendo assim, não está acima da luta classes, pelo contrário faz parte integrante desta luta, por isso a necessidade de controle desse esporte por parte da burguesia. O VAR é somente mais uma ferramenta do arsenal de dominação capitalista em relação ao futebol, além da perseguição às torcidas organizadas e o controle do acesso popular aos campos de futebol.

A popularidade do futebol deva-se a classe trabalhadora, e de maneira organizada e consciente, os trabalhadores tem que tomar o comando do futebol, principalmente via torcidas e derrubar o comando das grandes corporações financeiras que comandam o esporte mais popular do mundo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas