Coronavírus
A direita golpista não vai resolver a crise, pelo contrário, querem aprofundar o desastre no meio do povo. É preciso organizar a população para lutar por seus direitos fundamentais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Foto: reprodução. |

Um estudo recente, realizado pela Universidade de São Paulo (USP), demonstra que, ao contrário do que está sendo divulgado pelo governo Bolsonaro, é possível que o Brasil já esteja com 2 milhões de infectados pelo coronavírus.

Ao G1, um dos professores responsáveis pela pesquisa, Domingo Alves, afirma que “se eu for levar em consideração o número de óbitos que são efetivos, tentando fazer uma estimativa, tirando a subnotificação, o meu modelo, honestamente, explode com o número de casos. Esse modelo é otimista e, por isso, eu tenho defendido de que o Brasil, necessariamente, para o mundo, já é o principal foco da epidemia”, disse Domingos, que é professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da USP.

Quer dizer, a previsão de 2 milhões de infectados é otimista, o que significa que está acontecendo um verdadeiro genocídio do povo negro, do povo trabalhador, que é quem não tem os recursos e os meios para, individualmente, resistir à crise de saúde e econômica.

Apelar para o indivíduo tomar as providências contra a crise de saúde; que ele, sozinho, se responsabilize para não ser infectado, através da farsa que é a quarentena, é uma política covarde das organizações de esquerda e de qualquer organização que tenha alguma preocupação remotamente humana. 

Por isso o Partido da Causa Operária (PCO) deliberou pela política de organizar os comitês de luta, os conselhos populares, que devem organizar o povo para levar adiante a luta por suas reivindicações mais sentidas, as reivindicações imediatas, como os equipamentos de saúde, testes, garantia de empregos, etc. 

Ao contrário do que apresenta a imprensa burguesa e a própria esquerda, o momento não é de “união”, pelo contrário, a crise serviu para acentuar a oposição que existe entre os trabalhadores e os patrões, serve para acentuar a luta de classes, de conjunto. A direita, a burguesia, não quer saber de cuidar do povo, muito pelo contrário.

É uma política, do PCO, que não vira às costas para o povo sofrido. Na verdade, tem o objetivo de organizar a população, é dizer, de apelar para os métodos tradicionais do povo, que ao longo da história provou que qualquer direito só pode ser conquistado com a luta organizada da população trabalhadora, por suas organizações. 

Aguardar que os abutres do povo, os governadores, resolvam o problema da pandemia, do desemprego, é aguardar por nada. Na verdade, a burguesia tem uma política muito bem definida para a crise: deixar o povo morrer, e salvar os lucros dos empresários. Até aí, nenhuma novidade.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas