Na OEA
Representantes do ilegítimo Guaidó na entidade golpista querem convocação de tratado e intervenção militar para derrubar Maduro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Secretary_Pompeo_and_Brazilian_Foreign_Minister_Ernesto_Araujo_Participate_in_Press_Availability_(46571408771)
Ernesto Araújo, ministro do Exterior, é um capacho dos EUA. Foto: Departamento de Estado dos EUA |

Da redação – Em encontro realizado hoje (11) na Organização dos Estados Americanos (OEA), 12 dos 19 países participantes votaram a favor da moção para aprovar a convocação do Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR), a fim de atuar em relação à crise provocada pelo imperialismo na Venezuela.

O TIAR estabelece a defesa mútua entre os países-membros caso haja ataques externos.

O pedido foi feito pelos representantes ilegítimos de Juan Guaidó na OEA. O órgão, criado pelos EUA para controlar os países latino-americanos, há anos tem sido um instrumento fundamental na desestabilização do governo chavista na Venezuela. Por isso, no início do ano o presidente legítimo Nicolás Maduro anunciou a saída oficial do Estado venezuelano da entidade, que reconhece ilegalmente Guaidó como presidente da República.

A reunião foi apoiada pelos EUA (que, na verdade, são os grandes artífices desses planos), a Colômbia e o Brasil – principais capachos de Washington na crise venezuelana.

A Costa Rica propôs uma emenda enfatizando que que consulta deveria discutir apenas a “restauração pacífica da democracia na Venezuela”, recusando categoricamente o “emprego da força armada”. Entretanto, o Brasil votou contra essa emenda, demonstrando o total capachismo em relação ao imperialismo por parte do Itamaraty e dos bolsonaristas.

A Venezuela deixou o TIAR em 2012 e Guaidó não tem qualquer legitimidade para decidir qualquer coisa em nome do país. Trata-se de mais uma frente de ataque e ameaças claras à soberania do povo venezuelano, incluindo ameaça de invasão, em um cenário no qual volta a campanha desestabilizadora contra o governo Maduro por parte da Colômbia e do imperialismo.

É preciso garantir que a mobilização dos trabalhadores em âmbito internacional leve a um movimento que impeça os ataques imperialistas contra a Venezuela. Fora imperialismo da Venezuela! Fora imperialismo da América Latina!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas