Barbárie e lucros dos bancos
O ressurgimento de ditaduras e regimes fascistas financiados por banqueiros demonstra quem são os verdadeiros inimigos do povo, a quem a classe operária deve destruir
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bradesco(1)
Bradesco fechou o semestre com lucro líquido de US$ 1,257 bilhão (R$ 6,888 bilhões) | "Foto: Reprodução"

Nem todos perdem com a crise. Alguns fabricam ou agravam a crise para lucrar com a ruína dos demais. Veja o caso do Bradesco, o lucro exorbitante auferido pelos banqueiros não só no Brasil, mas também no continente latino americano é exemplar.

Pesquisa que incluiu 582 empresas de diferentes setores divulgaram os balanços do segundo trimestre, para compor o resultado semestral, até o dia 21. No primeiro semestre de 2020, marcado pela pandemia, o Bradesco (BBDC3;BBDC4) superou o Itaú Unibanco (ITUB4), seu maior rival, e ficou no topo da lista das companhias abertas com os maiores lucros na América Latina.

Ruína para uns e lucros para uns poucos. Segundo levantamento realizado pela Economática, uma empresa de dados financeiros, o Bradesco fechou o semestre com lucro líquido de US$ 1,257 bilhão (R$ 6,888 bilhões), enquanto o Itaú Unibanco, o segundo colocado, teve ganho de US$ 1,246 bilhão (R$ 6,825 bilhões).

O maior abocanhamento de recursos dos Estados, dos impostos e dívidas combinadas. O levantamento levou em conta o lucro contábil atribuído aos acionistas, usado como base para distribuição de dividendos, e deixou de fora a parcela do resultado que vai só para os minoritários das subsidiárias.

A fonte dos dados? O lucro contábil é o que consta nas demonstrações financeiras encaminhadas à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o “xerife” do mercado de capitais do País, e difere do chamado lucro recorrente, preferido por muitos analistas e empresas por expurgar fatores ocasionais que influenciam os resultados.

Dados confirmados e seguros. Segundo André Cano, vice-presidente do Bradesco para a área de finanças e riscos, quatro fatores principais explicam o resultado do banco que, mesmo no topo do pódio, registrou uma queda de cerca de 40% no lucro líquido nos primeiros seis meses do ano em relação a igual período de 2019.

O mesmo André Cano destaca também o aumento do número de correntistas em 2,1 milhões, para 31,3 milhões, graças à conquista da folha de pagamento de grandes empresas, ao crescimento do Bradesco Expresso, que atua com correspondentes bancários, e à abertura de novas contas pelo Next, o banco 100% digital do Bradesco.

No meio dos destroços do regime surge soberano a instituição imune à crise, os bancos. Tudo a eles parece natural, ou como dizem, “É natural que o lucro absoluto do setor financeiro seja maior que o de outros setores. O negócio bancário é muito intensivo em capital”, diz André Cano.

O ressurgimento de ditaduras e regimes fascistas no mundo, financiados por banqueiros evidencia quem são os verdadeiros inimigos do povo, a quem a classe operária deve destruir.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas