Ofensiva reacionária
Declaração do presidente do Bradesco, Octávio de Lazari, pretende até 2021 fechar 500 agências o que levará a demissão de milhares de trabalhadores
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
a35c74fe-bradesco
Bradesco | Foto: Reprodução

Os funcionários do Bradesco além de sofrerem todo o tipo de arbitrariedades, pressões, arrogância, assédio por parte dos chernetes de planão dos banqueiros, convivem com o fantasma das demissões rondando as suas cabeças.

O Bradesco, segundo maior banco privado do País, vem reduzindo substancialmente o seu quadro de funcionários. O banco adotou um plano que visa jogar no olho da rua centenas de trabalhadores; anunciou uma “concessão de benefício adicional” (manutenção por seis meses os planos de saúde e odontológicos) para aqueles que estão sendo comunicados de sua demissão que, inclusive, está sendo feito pelo telefone, onde o banco comunica ao funcionário para se dirigir ao RH (Recursos Humanos) para o seu desligamento.

Agora a direção golpista do Bradesco partiu para uma nova ofensiva quando pretende fechar 500 agências no país inteiro o que vem e irá ocasionar uma enxurrada de demissões na categoria.

Em 2019 o banco já havia fechado 414 agência que teve como consequências a demissão de milhares de pais de famílias, naquele período o seu presidente, Octávio de Lazari, havia anunciado o fechamento de mais 500 agências até 2021.

O arrocho salarial e as demissões são as duas faces da mesma política dos banqueiros e seus governos de descarregar sobre as costas dos trabalhadores o ônus de toda a orgia financeira e capitalista levada às últimas consequências por um punhado de parasitas especuladores e inadimplentes (estes sim os verdadeiro devedores do país), que têm levado a economia nacional à falência.

No embalo dessa ofensiva, os banqueiros estão se aproveitando da crise da pandemia para aprofundar, ainda mais, a política de demissões na categoria bancária.

É preciso barrar a ofensiva dos banqueiros. Somente uma ampla mobilização poderá por fim as demissões e os ataques dos patrões.

Os sindicatos devem abrir as suas porta imediatamente e  mobilizar os trabalhadores contra a onde de demissões que certamente continuirá a ocorrer.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas