Facão nos Bancos
Crise capitalista coloca milhares de bancários no desemprego enquanto banqueiros continuam a quebrar recordes de lucro.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bancarios
Lucro capitalista, sofrimento dos bancários | feebbase.com.br

Mesmo em meio à pandemia e obtendo lucros bilionários, grandes bancos brasileiros estão demitindo trabalhadores. Em Curitiba e Belo Horizonte, os bancários estão sofrendo na própria pele a mais atual onda de demissões, que vem do Bradesco, Itaú, o Santander e o Mercantil do Brasil. No Bradesco apesar do lucro de R$ 7,626 bilhões no 1º semestre de 2020, com crescimento de 3,2% no lucro comparado ao 1º trimestre do ano, ou seja, tendo um aumento do lucro na pandemia. Além do bilionário lucro do Bradesco, o Itaú é atualmente a marca mais valiosa do Brasil, avaliada em R$ 24,5 bilhões, e o espanhol Santander tira do Brasil seu maior lucro no mundo.

Na última semana, o Bradesco promoveu demissões em massa na cidade de Curitiba, por meio de teleconferências e por telefone, os bancários foram despedidos, com um agravante, isso ocorreu logo após o encerramento da campanha salarial, que de acordo com os sindicatos os banqueiros do Bradesco, haviam firmado compromisso do banco com seus funcionários e com os sindicatos que representam a categoria de que não haveria demissões.

Segundo Antônio Luiz Fermino, presidente do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários, Financiários e Empresas do Ramo Financeiro de Curitiba e região: “Não podemos deixar que neste momento de pandemia o Bradesco ou qualquer outro banco descumpra o acordo feito há alguns meses, desde o início da pandemia, de não demissão. Não há justificativa para o sistema financeiro demitir ou afastar pessoas do seu quadro, pessoas que estão contribuindo, fazendo o seu papel, mesmo que em home office. Não é admissível, até porque o sistema financeiro continua lucrando”. De acordo com o sindicalista a projeção dos banqueiros é fechar 500 agências.

Nesta quinta-feira, as agências bancárias e os centros administrativos do Bradesco na região central de Curitiba (Palácio Avenida, Curitiba Centro, Monsenhor Celso, Rua das Flores, Emiliano Perneta e Comendador Araújo) amanheceram fechadas e em greve durante todo o dia. O protesto é contra as demissões realizadas pelo Banco.

Em Belo Horizonte, as demissões aumentam. Segundo o Sindicato dos bancários de BH, na capital mineira, o Bradesco, também emitiu um comunicado que dá a entender que pretende iniciar um processo de demissões. Além do Bradesco, Itaú, o Santander e o Mercantil do Brasil demitiram milhares de bancários no último período.

O campeão das demissões em 2020 é o Santander. Foram cerca de mil bancárias e bancários demitidos desde maio, quando o banco começou a escalada de demissões. O lucro do banco no país representa 32% de todo seu lucro mundial.

A situação dos bancários no Brasil escancara o programa dos golpistas para a situação atual de crise do capitalismo monopolista (o imperialismo). A receita das aves de rapina para a situação é desemprego para os trabalhadores e cada vez mais concentração de renda para os banqueiros.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas