Como Doria e Bolsonaro
Como funcionário de Doria e defensor da política da direita, aconselha que a população não se preocupe e já exime os governos direitistas pelo genocídio
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Boulos pai
O médico infectologista Marcos Boulos, funcionário de confiança do governo João Doria (PSDB) | Foto: Cecília Bastos/Usp Imagens

No momento em que o Pais está a beira de completar, oficialmente, a marca de 120 mil mortos na pandemia, uma reportagem publicada no portal online Vermelho, do PCdoB e assinada por Cézar Xavier, o médico infectologista Marcos Boulos, pai do candidato a prefeito pelo PSOL, Guilherme Boulos, e membro do Comitê que lida com o coronavírus no Estado de São Paulo, apresenta a versão otimista de que talvez nem mesmo seja necessária uma vacina para lidar com a pandemia, pois ela pode simplesmente desaparecer.

Segundo a matéria “Pandemia vai passar”, o Brasil registra queda no contágio”, o País estaria em uma queda no número de casos causados pela pandemia do coronavírus. A queda seria demonstrada, supostamente, pelo baixo número no contágio dos estados com maior população, enquanto os estados do Sul e do Centro-Oeste, que estão com alta nos casos, possuem uma densidade demográfica menor, o que levaria a uma baixa transmissão do vírus. Além disso, argumentam que o dia 21 de agosto foi a sexta-feira com menos casos registrados desde 12 de junho, o que indicaria uma queda nos casos no geral.

Com base nesses dados e no fato de a doença ter, em tese, sido passada para os seres humanos através de animais (o que faria com que uma nova transmissão fosse dificultada), Marcos Boulos afirma que a pandemia irá simplesmente passar, seja pela imunização da população, pelo distanciamento social ou por uma vacina. No entanto, o médico também afirma na matéria que 

a vacina não resolve tudo. Não sabemos se teremos vacina. E terceiro que talvez nem precisemos da vacina” 

e, mais para a frente, ao comentar sobre o fato de o zikavírus ter, supostamente, desaparecido, o médico declara que

parou de transmitir, deu uma imunidade na comunidade e não voltou mais. Foi o mesmo em outros países. O mesmo aconteceu com outros coronavírus em muitos países. Varreu e não voltou mais. Se isso acontecer, pra que vacina? Não precisaremos de vacina”.

As afirmações de Marcos Boulos assustam pois, ao tentar dar um tom otimista sobre a pandemia, revelam exatamente a mesma estratégia utilizada por Bolsonaro e pelos governadores direitistas desde o início da pandemia: a de esperar para que a população se infecte até que seja imunizada, após milhares de mortes.

A estratégia não só não deu certo, como também é a responsável pelos mais de 120 mil mortos no Brasil, oficialmente, já que nenhuma ação efetiva foi tomada por parte dos governos, a não ser aconselhar a pequena burguesia a ficar em casa e deixar a população que trabalha para morrer infectada nos ônibus, no trabalho e nas ruas.

Boulos, como funcionário de Dória e defensor da política da direita, aconselha que a população não se preocupe e já exime o governo de uma futura responsabilidade em ter de gastar para conseguir uma vacina, pois a doença em sua visão pode simplesmente desaparecer. O “desaparecimento” da doença e a baixa no número de casos também não encontra nenhum respaldo na realidade, já que os dados apresentados pela matéria para confirmar a tese são, além de precipitados, baseados nos dados do próprio Ministério da Saúde, que vem claramente subnotificando o número de infectados, além de não ter testado a população, principalmente nos estados menos urbanizados, aqueles apresentados pela matéria como estados que pouco transmitiriam a doença pela baixa densidade demográfica.

A pandemia que representa uma das maiores tragédias recentes para todo o mundo e em especial para o Brasil não vai desaparecer do nada. Se não houver uma política efetiva, com pesados gastos do Estado na área da Saúde para garantir uma vacina o mais rápido possível para toda a população, além de testes para todos e equipamentos de saúde suficientes, cada vez mais pessoas irão morrer.

A política de Marcos Boulos e da esquerda que o acompanha, vai no sentido oposto de uma mobilização, na direção do apoio à política genocida da direita, de esperar pra ver como fica. Ou seja, atua para desarmar os explorados que para defenderem sua sobrevivência precisam enfrentar a política da direita, em todas as suas variantes.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas