A “nova esquerda”
PSOL de Boulos, Podemos de Iglesias e Syriza de Tsipras são um supositório para esquerdistas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
DanmrN3X0AEBrAp
Guilherme Boulos e sua inspiração cor-de-rosa, o espanhol Iglesias do Podemos | Foto: Bloco de Esquerda/Twitter

Para angariar apoio da burguesia a fim de ter a confiança dos capitalistas, Guilherme Boulos tirou toda a sua roupagem de “radical”. Nas redes sociais e entrevistas, durante a campanha para a prefeitura de São Paulo, deixou claro que seu suposto radicalismo é uma invenção estapafúrdia da extrema-direita, que ele é um político que quer “governar para todos”.

As inspirações de Boulos vêm de muitos lugares, mas de modo nenhum do radicalismo, da extrema-esquerda. Sua campanha eleitoral é a prova disso. Nunca adotou a cor vermelha, tradicional do movimento operário, que não é uma exclusividade dos revolucionários mas adotada historicamente também pelos partidos reformistas. Boulos vai além: sua cor predileta é o roxo, uma inspiração provocada por correntes pequeno-burguesas como o espanhol Podemos.

Realmente, Boulos e o PSOL são o equivalente brasileiro do Podemos. Esse partido apareceu na cena política espanhola após a crise capitalista de 2008, quando o país foi um dos mais afetados da Europa. Um grande movimento de massas surgiu do descontentamento popular, principalmente devido à impossibilidade de a classe operária pagar os aluguéis. Rapidamente, a burguesia manobrou através da esquerda pequeno-burguesa para tentar canalizar esse descontentamento para o terreno eleitoral.

Assim, com a crise crônica do regime político espanhol, uma herança do franquismo, o PP caiu do governo e deu lugar ao PSOE, na velha alternância de poder entre as duas faces do mesmo regime pós-Franco. O Podemos, apesar de toda a retórica esquerdista que fingia apresentar uma alternativa ao PSOE, se integrou em velocidade recorde ao regime, transformando-se em um PSOE pequeno, com a mesma política mas com uma retórica mais esquerdista. Finalmente, hoje forma governo em aliança com o PSOE e seu líder, Pablo Iglesias, outrora considerado uma “nova liderança” da esquerda espanhola, um “radical”, aquele que traria “esperança” para os espanhóis, governando com “mais amor e menos ódio”… agora é vice-primeiro-ministro de Pedro Sánchez (uma espécie de João Doria da esquerda espanhola, e que ataca a Venezuela tal como Boulos).

Iglesias é o Boulos amanhã, no melhor dos casos; e o Podemos é o PSOL do futuro. No Brasil, apresenta-se uma reedição de uma esquerda estéril tal qual o Podemos espanhol ou o Syriza grego. Uma esquerda disposta e usada para auxiliar na sustentação do regime político caduco da burguesia golpista e do imperialismo.

Ao desejar sorte a Covas, ao dizer que Covas é uma pessoa “ponderada”, Boulos mostra que seu inimigo não é a direita tradicional, mãe do bolsonarismo. Seu inimigo é somente Bolsonaro. E para isso vai se aliar à mãe de Bolsonaro contra o filho. Vai se aliar aos que são apenas “elitistas” contra os “fascistas”. Pouco importa se os “elitistas” criaram os “fascistas” e que, portanto, são tão fascistas quanto. No final das contas, o antirradical Boulos vai se unir a João Doria para “derrotar o fascismo”. Como se Doria não fosse um radical, um fascista, ao dar banho gelado em moradores de rua no inverno e chamar servidor público de vagabundo, entre muita e maiores atrocidades.

A comparação de Boulos e o PSOL com o Podemos de Iglesias ou o Syriza de Alexis Tsipras é certeira. Seria um grande equívoco compará-los à ala esquerda do Partido Trabalhista de Jeremy Corbyn ou à ala esquerda dos Democratas de Bernie Sanders. Os dois últimos estão apoiados em um movimento das massas trabalhadoras: Corbyn foi eleito secretário-geral pelos sindicatos, enquanto Sanders tem propostas populares. Não são meros movimentos identitários, apresentam problemas reais para a população.

Já o Podemos, principalmente, mas também o Syriza, são movimentos explicitamente pequeno-burgueses, e suas reivindicações e retórica identitárias comprovam isso. Não são ligados ao movimento operário, mas à classe média que vive às sombras da burguesia.

Boulos e seu “gabinete do amor” do PSOL tentam imitá-los. Não apenas na retórica, mas também na política. E terminarão, como sempre ocorre, como um apêndice da direita “liberal”, “democrática”, “civilizada” – aquela que pariu o fascismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas