Frente Ampla
Candidatura sem qualquer conteúdo da luta contra o golpe de Estado, procura facilitar a sua utilização pela frente ampla e pela burguesia, que a tem com tanto entusiasmo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Ciro-e-Boulos-o787u922btzt25spsmffokxmxyugns0l1s3d9jv0o0
Ciro e Boulos | Reprodução

Nas vésperas da eleição, a maioria dos candidatos intensificaram freneticamente a campanha pela conquista de um cargo público, custe o que custar, haja a demagogia e a pandemia que houver. Lançam-se num vale-tudo para a conquista de um cargo público imediato ou futuro. É o caso do candidato Guilherme Boulos, do PSOL, que fez e faz uma campanha eleitoreira, com propostas irreais e sem o mínimo caráter de classe na defesa dos trabalhadores.

 

Vira SP: uma campanha eleitoreira

 

Sob o lema de “Vira São Paulo”, Boulos atuou na campanha como se as eleições fossem democráticas e houvesse chances reais de sua vitória. Impulsionado pelas pesquisas dos institutos da burguesia, como o DataFolha, Boulos concentrou sua campanha em propagar que era possível virar as eleições em SP contra os candidatos Bruno Covas (PSDB) e a Celso Russomano (Republicanos).

A mensagem central da campanha foi a de que tudo pode ser resolvido através das eleições. Como se o processo eleitoral suspendesse parcialmente ou completamente a luta de classes, o golpe de Estado de 2016 e a fraude eleitoral de 2018, ambos organizados pela classe dominante. Ou seja, uma campanha que ao invés de chamar os trabalhadores a lutarem contra o regime, chama os trabalhadores a buscarem mudanças por dentro do regime golpista, legitimando-o, ainda por cima, como democrático!

 

O oportunismo da frente ampla e às concessões à direita golpista

 

Se a campanha de Boulos (PSOL) fosse apenas focada em interesses eleitorais já seria descartável de um ponto de vista marxista, revolucionário. No entanto, não é apenas uma campanha eleitoral, mas sim uma campanha em prol da frente ampla, ou seja, da aliança com setores da direita golpista, sob o pretexto de combater Bolsonaro. Desta forma, é uma campanha recheada de concessões aos golpistas.

Prova disso é a relação que Boulos tem com a PM e a GCM, setores fundamentais do aparato de repressão do Estado burguês. Antes das eleições, Boulos articulou o acordo, formalmente assinado por dirigentes do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), do qual é coordenador, para “revezar” a Av. Paulista com a extrema direita bolsonarista. Isto precisamente no momento em que as torcidas organizadas, em consonância com o chamado do PCO, expulsaram a extrema direita das ruas, especialmente em São Paulo, na Paulista.

Mas não foi só isso. O acordo foi completamente ilegítimo, uma vez que o movimento de Boulos negociou com a Polícia, do próprio governador “BolsoDoria” (PSDB), como se fosse porta-voz de toda a esquerda. Isto para em seguida desmontar a mobilização radical dos torcedores e tirar as manifestações da Av. Paulista, deixando para a extrema direita. Ou seja, na verdade não era apenas um acordo, era uma manobra para submeter o movimento à direita.

Já no período eleitoral, Boulos foi além e disse que irá “humanizar” a GCM, fazendo dela “um instrumento de segurança cidadã, mais participativa e integrada ao dia a dia das pessoas em seus bairros”. Ele também disse que os profissionais da violência “atuais e novos, que serão contratados – receberão capacitação para inibir a violência contra mulher, combater o racismo e a lgbtfobia”.

Tais posições de Boulos mostram sua estreita ligação com o aparato de repressão do Estado burguês, um dos maiores inimigos dos trabalhadores e do povo em geral. Não é um acaso, mas sim uma política para domesticar os trabalhadores. Fazê-los aceitar um convívio harmônico com seus próprios inimigos, a máquina de extermínio do povo, que é a Polícia.

 

Programa de conciliação, eleição sem luta de classes

 

Por fim, diferente do que propagam setores da burguesia e da esquerda, de que Boulos seria o candidato da esquerda, ele é um candidato bastante direitista, conforme suas próprias posições comprovam.

Isto porque o método do candidato do PSOL é o da conciliação com a burguesia. O que ficou exposto na visita que Boulos fez a empresários, ao dizer que “não iria demonizá-los”. Como demonizar o apoio que Boulos tem recebido da imprensa burguesa e de seus institutos de pesquisa, como o Data Folha, que o colocou no segundo turno, não é mesmo?

Essas relações tão próximas com a burguesia explica porque a campanha de Boulos não tem qualquer denúncia do golpe de Estado de 2016, nem da fraude eleitoral que está se realizando 2020 para eleger a direita golpista.

Não se viu na campanha de Boulos mesmo a defesa dos sem teto, das suas lutas, das ocupações, dos quais a imprensa capitalista faz questão de enfatizar que o candidato seria o líder.

A candidatura de Boulos é inócua, sem qualquer conteúdo para a luta contra o golpe de Estado e pelas reivindicações populares. Serve apenas para facilitar a sua utilização pela frente ampla e pela burguesia, que a impulsionou com tanto entusiasmo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas