Venda da Liquigás
Antes que o gás fique custando R$200 para agradar capitalistas estrangeiros e banqueiros, em detrimento dos interesses dos trabalhadores, é preciso derrotar a direita golpista
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Gás de cozinha puxa a inflação de setembro em Brasília 
Cruzeiro, Brasília, DF, Brasil 13/10/2015 Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília
 
Com variação de 19,23% no valor do botijão, o gás de cozinha contribuiu diretamente para o aumento da inflação no Distrito Federal em setembro.
Foto: Pedro Ventura / Agência Brasília |

A privatização é um desastre para os trabalhadores e para a população. Um dos efeitos dessa política neoliberal nefasta será sentida diretamente pela grande maioria da população em um aspecto crucial de sua rotina: o preço do gás de cozinha. A Petrobrás vendeu sua distribuidora de gás, a Liquigás. Com a mudança da política de preços da Petrobrás sob o governo da direita golpista, ainda durante o mandato de Michel Temer, as famílias brasileiras já vinham tendo que pagar muito mais caro pelo gás. O preço varia muito de acordo com a região, mas em uma capital como Belo Horizonte, por exemplo, o gás já atingiu o preço de R$100.

 

Venda da Liquigás

A Liquigás foi vendida por R$3,7 bilhões para um consórcio formado por Copagaz, Itaúsa e Nacional Gás Butano. Ou seja, a distribuição do gás passará ao controle dessas empresas, incluindo aí a participação do banco Itaú entre elas. Mais um aspecto da vida dos brasileiros que será controlado diretamente por banqueiros. A compra da Liquigás ainda precisa ser aprovada pelo CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), que deveria evitar a constituição de monopólios.

 

Terceira venda do ano

A Liquigás é a terceira subsidiária que a Petrobrás entrega aos capitalistas esse ano, devido ao controle da direita golpista sobre a empresa. Antes foi vendida a rede de postas de gasolina BR Distribuidora, por R$9 bilhões, e a TAG, de gasodutos, vendida por R$33,5 bilhões. Uma verdadeira destruição do patrimônio público, apresentada pela imprensa burguesa sob o rótulo eufemístico de “desinvestimento”. De modo que ao final sobrará nada de estatal na empresa, e diversos setores estratégicos da economia ficarão sob o controle de capitalistas estrangeiros.

 

Fora Bolsonaro!

Antes que o gás fique custando R$200 para agradar capitalistas estrangeiros e banqueiros, em detrimento dos interesses dos trabalhadores, é preciso parar, impedir e reverter o processo de privatizações. E para isso e precisar derrotar a direita golpista. Por isso é hora de levantar a palavra de ordem que concentra a oposição às políticas de Jair Bolsonaro como um todo, de forma abrangente: fora Bolsonaro! O fim do governo golpista está se colocando como um problema urgente para os trabalhadores, por uma questão de sobrevivência. É preciso aproveitar a impopularidade do governo e a tendência à mobilização enquanto é tempo, para derrotar a direita nas ruas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas