Clube-empresa
O futebol arte está se transformando no futebol lucro. Clubes se tornarem empresas aniquila o futebol como esporte
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
5f9b2653d600e (1)
Muros do Nilton Santos amanhecem pichados | Foto: Lance.com.br

A derrota em casa  para o Cuiabá, no primeiro jogo pelas oitavas de final da Copa Brasil, provocou reação por parte da torcida do Botafogo do Rio. Torcedores picham os muros do estádio, com críticas à diretoria, e também fazem protesto em frente ao estádio Nilton Santos. Cobram mais transparência com o que ocorre na administração do clube, e também melhores resultados em campo do clube.

São críticas principalmente à diretoria, mas os  jogadores também não foram poupados. A demissão de Bruno Lazaroni foi a última ação do Comitê Executivo do Futebol do Botafogo, que será desfeita após eleição de 24 de novembro. 

A votação não foi unânime, mas gerou problemas entre os cartolas que comandam o futebol do clube. A queda do Bruno ocorreu após um mês de sua contratação, quando ainda se recuperava de cirurgia no abdômen. Por enquanto quem ocupa seu lugar é o treinador de goleiros Flávio Tenius.

Para a diretoria, a gota d’água foi a derrota para o Cuiabá, os jogadores apresentaram falta de motivação e de iniciativa.

Com a crise financeira do time que vem de antes da pandemia, o clube elaborou uma plano A para buscar dinheiro e formar a S/A. O plano conta com os irmãos Moreira Salles sendo os investidores majoritários. O restante do dinheiro necessário, 124 milhões de reais, o clube teria que buscar no mercado, o que com o início da pandemia não conseguiu.

A partir daí, entraram em campo com o plano B, com o empresário Gustavo Magalhães à frente do processo. Diferente do plano anterior, este não tem investidores ainda, mas conta com a abertura para aceitar investidores estrangeiros. Isso é o que diz matéria do Globo Esporte, da imprensa golpista Rede Globo.

O que acontece com o futebol brasileiro e provavelmente com todo futebol mundial? O que sempre se repete, desde sempre no noticiário, é a falta de verbas nos clubes. Como é possível que com tamanhas arrecadações a cada partida jogada, haja falta de recursos?

A resposta deve ser encontrada ao olhar mais de perto o funcionamento dos campeonatos. Há empresas que dizem patrocinar os clubes, basta olhar as propagandas nas camisetas e durante as transmissões das partidas nas televisões. A própria transmissão dos jogos pela televisão é alvo de disputas acirradas pelas empresas de comunicação. Com a comercialização de espaços para propaganda nos uniformes, direitos de exibição de imagem dos atletas, etc, tem-se a impressão de que são recursos que entram para os clubes. E então não faz sentido a alegação de falta de dinheiro por parte dos clubes.

Como sabemos, empresas visam lucros, todo investimento precisa apresentar retorno para o investidor. Com os investimentos no futebol, querem retorno financeiro. Os investimentos seguem outra lógica que não é a de boas apresentações pelo futebol arte, mas a de proporcionar soma maior do dinheiro que foi investido.

Nesta lógica, vê-se partidas “compradas” para que apresentem os resultados financeiros esperados por parte dos investidores. Como o futebol é apreciado como paixão na maioria dos países, mobilizando a massa da população, envolve gigantescas quantias em dinheiro, e promove os países, não é difícil concluir que todo o controle sobre ele é feito pela burguesia imperialista.

Manipulam de todos os modos para usar o futebol como arma para garantir que a classe burguesa continue a explorar o povo trabalhador. Pior ficam os clubes nos países com desenvolvimento precário como o caso do Brasil e toda a América Latina. E aos poucos o trabalhador vai ficando impedido de participar de sua paixão junto aos clubes.

Para acabar com essa interferência prejudicial ao futebol, é preciso que os clubes sejam controlados pelas organizações de luta dos torcedores: as torcidas organizadas. Que devem decidir a política a ser seguida pelo clube, afinal são sócios pagantes dele. Decidir qual canal transmitirá as partidas jogadas, quanto cobrará pela exibição, as contratações de jogadores, técnicos e a forma de administração do clube.

O futebol precisa voltar a ser um espetáculo para o envolvimento de sua torcida, independentemente da quantia de dinheiro que cada um tenha no bolso. Que volte a reinar a alegria das brincadeiras entre torcidas, sem proibições descabidas, que visam afastar o povo do futebol.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas