Sossego
A redução da ação ostensiva da Polícia Militar no Rio de Janeiro levou à inevitável queda nos homicídios. É preciso dissolver a PM!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bope
Operação do BOPE no Morro do Alemão. Foto: Wilton Junior/Estadão Conteúdo |

Um bando de bárbaros, extremamente violentos e incontroláveis, impossíveis de serem educados e que conhecem a força bruta como único limite para suas ações. É exatamente isso o que pensam todos os ideólogos burgueses sobre a população pobre do Rio de Janeiro e, por extensão, de todo o país. No entanto, a experiência da pandemia de coronavírus está mostrando que a realidade é completamente oposta.

Com a adoção de várias medidas que visam o isolamento social — política do imperialismo para conter uma explosão social em decorrência do total colapso do sistema de saúde —, a Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro, mais notadamente a mais carniceira do país, sobretudo sob o comando do fascista Wilson Witzel (PSC), reduziu consideravelmente seu efetivo nas ruas. A mesma medida foi tomada pelo comando do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), nacionalmente conhecido pela brutalidade de suas ações.

A redução das operações, no entanto, não levaram a uma crise no que a burguesia chama de Segurança Pública. De acordo com o estudo da Rede de Observatórios da Segurança, houve uma diminuição de 74% nas ações policiais e de 60% nas mortes. Dito em outras palavras com a redução das operações policiais, o número de homicídios caiu drasticamente e de forma indicar uma proporcionalidade direta.

Os dados, por si só, já serviriam para demonstrar que a Polícia Militar não é necessária para a prevenção de crimes. No entanto, as estatísticas revelam muito mais: quanto mais polícia tiver nas ruas, mais pessoas serão assassinadas — em geral, os moradores das periferias. Dito de outra maneira, os bilhões de reais que foram gastos com a Segurança Pública, os fuzis e até tanques de guerra que foram comprados para combater o narcotráfico e toda as declarações tipicamente fascistas do governador carioca só estão contribuindo para matar ainda mais a população pobre do Rio de Janeiro.

Isso, por sua vez, se dá por razões óbvias. O papel da Polícia Militar — e, consequentemente, do seu braço mais sanguinário, o BOPE — não é o de proteger a população, mas sim o de proteger, até as últimas consequências, os interesses da burguesia. Em meio à gravíssima crise sanitária em que o país se encontra, ninguém deve esperar que os policiais entrem em ação para impedir que os funcionários das companhias hidrelétricas venham cortar a energia dos trabalhadores, nem invadir uma fábrica para esbofetear um patrão que se recusa a liberar seu empregado doente. Contudo, é mais do que esperado que os agentes da repressão, como verdadeiros cães de guarda do patrimônio da burguesia, estejam sempre a postos para impedir que o povo se revolte contra o governo, procure expropriar na marra uma farmácia que não abre mão do seu lucro para salvar vidas ou invada um supermercado para não perecer diante a fome.

Nessas condições, ainda mais agora que os dados dão conta da inutilidade da força policial para o bem da própria população, é necessário exigir a dissolução imediata da Polícia Militar. É preciso retirar do Estado o direito de usar a força armada para impor os interesses da burguesia e, inversamente, armar os trabalhadores, como medida fundamentalmente democrática, para que tenham condições de exigir tudo o que diz respeito às suas necessidades.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas