Siga o DCO nas redes sociais

Bope executa com seis tiros “bandido” que portava arma de brinquedo
Sequestrador-de-ônibus-na-Ponte-Rio-Niterói-é-morto-foram-três-horas-e-meia-de-cerco
Bope executa com seis tiros “bandido” que portava arma de brinquedo
Sequestrador-de-ônibus-na-Ponte-Rio-Niterói-é-morto-foram-três-horas-e-meia-de-cerco

Macabro. Sinistro. Sociopata.

Essas são algumas das palavras que circularam pela redes sociais em referência ao caso do ônibus, com 37 pessoas, sequestrado por uma pessoa armada na ponte Rio-Niterói na manhã da terça-feira (20/8).

O sequestro durou mais de 3h30, com o ônibus cercado pela polícia, e terminou com o sequestrador morto por tiros, supostamente disparados por um atirador de elite, sniper. Todos os reféns foram liberados.

O coronel Mauro Fliess, da PM do Rio de Janeiro, declarou que o disparo do sniper foi necessário para neutralizar o sequestrador. E afirmou que “essa é a polícia que queremos ver”.

Fica evidente que o episodio foi usado para justificar o uso dos sniper, defendido pelo governador fascista do Rio que, comemorou entusiasticamente o assassinato do jovem de 20 anos.

Depois Fliess reconheceu que rapaz, morto por seis tiros, portava uma arma de brinquedo. Mas Fliess justificou: “Ele estava de posse de uma arma de brinquedo, porém, ele jogou combustível no ônibus e ameaçava incendiá-lo. Após ele ser neutralizado, as equipes identificaram que a arma que ele portava era de brinquedo”, informou o porta-voz.

Leia Também  Em Tanguá (RJ) crianças recebem comida estragada da prefeitura

O autor do sequestro foi identificado como William Augusto Nascimento, de 20 anos, trabalhava como vigilante e não tinha antecedentes criminais.

Durante o sequestro, ele parecia desorientado e não fazia nenhuma exigência. Ainda não se sabe qual foi sua motivação. Simplesmente anunciou a ameaça contra o ônibus sem reivindicar nada.

Um dos passageiros, o professor Hans Miller Moreno do Nascimento, de 34 anos, que estava a caminho do trabalho quando o ônibus foi sequestrado por volta das 5h da manhã, conta que o sequestrador anunciou o ato e pediu para que os passageiros entrassem em contato com a polícia.

O professor, que, coincidentemente tem o mesmo sobrenome do sequestrador do ônibus, contou que no início todos os passageiros estavam tensos e preocupados, achando que era um assalto. Muitas pessoas esconderam celular e carteira embaixo do banco, mas o sequestrador disse que não queria os bens de ninguém, apenas entrar para a história.

Segundo o professor, William Nascimento tinha uma faca de cerca de 50 centímetros e pediu para uma passageira escrever o número de telefone dele no vidro do ônibus com batom para a polícia ligar e  negociar com ele.  “O tempo todo dizia que a gente ia ter muita história para contar sobre o dia de hoje, mas que não queria nos machucar. O tempo todo tentava nos acalmar”, disse o professor Hans Nascimento.

Leia Também  Isolamento social chega ao fim em Minas Gerais

Quando William foi morto e os reféns libertados o governador do Estado, Wilson Witzel, chegou à ponte de helicóptero, e desceu saltando e vibrando com a morte do rapaz como seu fosse a comemoração de um gol. O presidente ilegítimo Jair Bolsonaro, que mais cedo já havia se manifestado sobre o assunto, dizendo para a polícia “não ter pena”,  parabenizou os policiais do Rio de Janeiro pela ação.

As palavras do início do texto, que circularam pelas redes sociais nos comentários sobre o caso, se referiam ao comportamento cruel dos dois fascistas: de Witzel, que tem uma fixação pela morte de pretos e pobres, tanto é que ele próprio metralha a população favelada do seu estado do alto de um helicóptero, e à postura de Bolsonaro, que é outra criatura das trevas ou, no mínimo, é incapaz de compaixão devido a uma insanidade evidente, mas não diagnosticada clinicamente.

 



0 Shares
Share via
Copy link