Os ataques continuam
Bolsonaro veta projeto de lei apresentado que previa uma compensação financeira para os trabalhadores de saúde que ficassem incapacitados devido a seu trabalho na pandemia.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
2020-05-22 imagem do dia protesto saude bsb
Profissionais da Saúde sofrem mais um ataque do governo Bolsonaro. | Foto: Arquivo DCO

O governo de Jair Bolsonaro continua seus ataques aos trabalhadores dia após dia, desta vez as vítimas foram os trabalhadores da área da saúde que estão lidando diretamente com a pandemia tentando salvar a vida de outros trabalhadores mesmo em meio ao descaso do Estado. O presidente vetou um projeto de lei apresentado que previa uma compensação financeira no valor de R$50 mil para os profissionais da saúde que ficassem permanentemente incapacitados para o trabalho devido ao contato direto com pacientes com o coronavírus. O valor seria pago pela União.

O texto garantia aos profissionais de saúde, incluindo também os agentes comunitários, a compensação caso o mesmo ficasse incapacitado permanentemente em razão do seu trabalho durante o combate à pandemia, e também era estendido aos cônjuges e herdeiros diretos de profissionais que viessem à óbito decorrente da doença e tivesse atuado diretamente no tratamento e visitas aos pacientes.

Mais uma vez o governo aparece com as mesmas desculpas para vetar direitos aos trabalhadores alegando “insegurança jurídica”, no projeto de lei em questão a presidência afirmou que o projeto seria uma despesa em período de calamidade, o que seria ilegal, mas a despesa em questão é decorrente justamente do período de calamidade pública, que só se deu decorrente da pandemia. O governo de Bolsonaro sempre coloca obstáculos para barrar e deixar de oferecer o mínimo aos trabalhadores, nos últimos dias o governo também vetou outro projeto de lei importante para os trabalhadores, que visava a maior facilidade de acesso ao Auxílio Emergencial em cota dupla para mães e pais solteiros, alegando novamente a insegurança jurídica. A insegurança jurídica e os problemas com “despesas” só aparecem nas pautas presidenciais quando se trata de benefícios e assistência mínima aos trabalhadores, esse discurso simplesmente desaparece quando o governo trata da entrega de trilhões de reais aos bancos e grandes capitalistas. Quando se trata dos trabalhadores tudo é despesa, mas quando o dinheiro é direcionado à burguesia vira investimento. Investimento no quê? Investimento pra quem?

A cada dia fica mais claro que a política de Bolsonaro e suas decisões são única e exclusivamente direcionadas a uma só classe, e não estamos falando dos trabalhadores, e com a intensificação da crise os ataques à classe trabalhadora em benefício da burguesia são ainda maiores. Enquanto profissionais da saúde, trabalhadores informais, mães e pais chefes de família tem o mínimo negado, o sistema financeiro continua recebendo “socorro” com o dinheiro dos trabalhadores, e isso deve piorar com as consequências mais drásticas da crise. Os trabalhadores não devem pagar por uma crise que não criaram e devem se organizar para exigir do Estado aquilo que é seu por direito, aquilo que é necessário para garantir que possam superar a crise e sobreviverem a isso, e essas condições só serão possíveis com a derrubada do governo golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas