O genocídio continua
O governo prevê que os valores destinados a área da Saúde em 2021 não devam ultrapassar os R$127,75 bilhões, R$47 bilhões a menos do destinado em 2020 devido a pandemia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
x87718425_SO-Sao-PauloSP01-04-2020-CORONAVIRUSCOVID-Pacientes-com-Covid-19-na-UTI-do-hospital.jpg.pagespeed.ic.9Q8B97McJm (1) (1)
Com os cortes previstos, aquilo que já estava prejudicado tende a piorar | Foto: Edilson Dantas

O verdadeiro projeto genocida de Jair Bolsonaro contra os trabalhadores foi ficando cada vez mais evidente com a chegada da pandemia do Coronavírus ao País. Sem um plano de governo sério para o combate à pandemia, em que por muito tempo ficamos e ainda estamos sem até mesmo um ministro da Saúde, o Brasil chegou à marca de mais de 110 mil mortos até o momento, uma verdadeira catástrofe que ainda está em curso e não temos ainda a sua real dimensão e quando tudo isso irá terminar. Mesmo com situação tão crítica diante dos olhos de todos os brasileiros, o governo continua com o negacionismo da gravidade da situação e sua ineficiência em resolver os problemas, e ainda prepara mais ataques a população. Está previsto para o próximo ano cortes na área da saúde que podem representar uma queda de até R$47 bilhões se comparados ao que foi gasto durante a pandemia.

O governo prevê que os valores destinados à área da Saúde em 2021 não devam ultrapassar os R$127,75 bilhões, o que representa R$7 bilhões a menos do que o aprovado inicialmente para esse ano antes da pandemia (R$134,7 bilhões) e muito menor do que o limite da pasta alcançado agora com a pandemia, onde os valores chegaram a R$174,84 bilhões, uma diferença de R$47 bilhões no orçamento. Esse é mais um verdadeiro ataque do governo com as suas políticas que só prejudicam a vida dos trabalhadores, mas também nos colocam o alerta de todas as dificuldades que devemos encontrar nos próximos meses durante e no pós pandemia.

O governo “destinou” uma grande quantia em dinheiro para a Saúde este ano, mas o que vemos é uma realidade que não condiz com esses valores. Desde o início da pandemia encontramos um grande déficit em testes, leitos, respiradores, hospitais de campanha, equipamentos de segurança, funcionários, enfim, tudo aquilo que seria necessário para o verdadeiro controle da pandemia no país, onde nem mesmo máscaras realmente seguras o governo conseguiu destinar à população. Se o governo não consegue nem mesmo ter controle sobre a real quantidade de mortos e infectados é evidente que não há e nunca houve um plano do governo de combate à pandemia, tudo não passou de promessa. Foram prometidos à população mais de 40 milhões de testes, mas só foram entregues um pouco mais de 3 milhões, foram prometidos também hospitais de campanha para suportar o aumento da demanda, mas o que vimos foram várias e várias cidades no país com o sistema de saúde em colapso, onde pessoas morreram por falta desde equipamentos mais sofisticados como um leito de UTI, até mesmo pela falta do básico, que é um remédio para sedação e um respirador mecânico. Mesmo com todo esse dinheiro disponível não houve interesse do governo em salvar a população, e com menos recursos a tendência é que esse cenário piore ainda mais, e podemos esperar que mais e mais mortes aconteçam.

O governo Bolsonaro não elaborou um plano de combate à pandemia realmente eficaz porque essa não é sua política de governo, as suas prioridades são completamente o contrário dos interesses dos trabalhadores. Enquanto a maioria da população sofre com o descaso diante da pandemia e de todos os outros problemas ocasionados e potencializados por ela e pela crise econômica, o governo continua colocando em prática a sua política liberal e até mesmo na pandemia continua tomando medidas que colocam os trabalhadores em situação ainda pior. São cortes de gastos em serviços essenciais, cortes e redução de direitos trabalhistas, assistência socioeconômica e tudo aquilo que deveria ser destinado à classe trabalhadora está caindo nas mãos dos grandes banqueiros e grandes capitalistas.

Somente com a derrubada do governo Bolsonaro é que os trabalhadores brasileiros terão condições de exigirem que as medidas necessárias para sua sobrevivência durante a crise e a pandemia sejam tomadas, é preciso derrubar a extrema direita do poder e todos aqueles que agem como verdadeiros criminosos contra a vida do povo, e somente é capaz de se organizar e de se mobilizar para que isso aconteça, sem a crença nas velhas instituições burguesas que colaboram para o genocídio dos trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas