Extermínio programado
Enquanto áreas essenciais sofrem cortes de verba e perecem diante da pandemia, Bolsonaro, resolve aumentar o dinheiro para o aparato de repressão
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
jair-bolsonaro-submarino-humaita-sbr2-2019-5-44.jpg
Jair Bolsonaro | Créditos: Mauro Pimentel/AFP

Enquanto áreas essenciais sofrem cortes de verba e perecem diante da pandemia, Bolsonaro, mesmo atolado em uma crise econômica de proporções catastróficas, resolve aumentar o dinheiro para o aparato de repressão. Nesta segunda-feira, 31, o séquito golpista encaminhou ao Congresso Nacional uma proposta de Orçamento que inclui previsão de R$ 110,7 bilhões para as despesas primárias do Ministério da Defesa.

De fato, nunca houve o mínimo interesse em combater a pandemia. Segundo o próprio ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, o governo gastou apenas 27,2% dos R$ 39,3 bilhões liberados para o combate à pandemia, isto é – R$ 10,9 bilhões. Enquanto isso, a proposta encaminhada para benefício dos militares corresponde a um aumento de 4,7% em relação ao destinado em 2020 (R$ 105,7 bilhões). Esse aumento de R$ 5 bilhões, não obstante, representará cerca de um sexto de todo o crescimento dos gastos permitidos pela União. Para além da pandemia, é de conhecimento geral que a economia nacional está indo ladeira abaixo. Nesse sentido, acentua-se ainda mais o caráter criminoso da proposta dos golpistas. Essa não é a primeira vez que Bolsonaro busca cativar os milicos. O chamado “adicional de habilitação”, passou a vigorar em julho. Nessa benesse, militares que recebiam salários brutos de até R$ 50 mil, passaram a ter aumento de até R$ 1.600 nos rendimentos. O que, de certa forma – é pouco comparado ao realizado em 2019, quando Bolsonaro havia autorizado o reajuste para 73% sobre o soldo.

Vale destacar que, desde o início da pandemia, o golpista Jair Bolsonaro editou oito medidas provisórias com recursos específicos para o Ministério da Saúde, sendo que nenhuma teve os recursos integralmente aplicados. Não é preciso muito esforço intelectual para compreender o óbvio. O dispêndio do orçamento com os militares tem um propósito claro: conter a revolta que se levantará inevitavelmente contra o governo Bolsonaro e seu genocídio contra o povo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas