Latifúndio e genocídio
O fascismo através do governo Bolsonaro utiliza as autarquias de apoio a sem terra, indígenas etc, para atacar esses trabalhadores em benefício da grilagem de terras.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
índice(1)
Estamos diante de mais um ato criminoso de Bolsonaro e o Presidente da Funai. | Foto: Reprodução.

O fascismo através do governo Bolsonaro utiliza as autarquias de apoio a sem terra, indígenas etc, para atacar esses trabalhadores em benefício da grilagem de terras e dos latifundiários. É nesse sentido que o Presidente bolsonarista da Funai autoriza grilagem de Terras Indígenas.

Estamos diante de mais um ato criminoso em que o Presidente da Funai, o Policial Federal Marcelo Augusto Xavier, sanciona Instrução Normativa que vai incentivar e permitir a grilagem de terras indígenas.

É uma completa inversão das finalidades das instituições, Bolsonaro utiliza autarquias para beneficiar latifundiários. Está em curso uma medida que altera a emissão de documentos chamados “Declaração de Reconhecimento de Limites”, que antes somente eram emitidos a propriedades que estão nos limites de Terras Indígenas (TI) para o seu contrário. Assim, com a mudança, num enorme ataque aos direitos indígenas, poderão certificar propriedades com escrituras e também posse (sem nenhuma escritura) e somente em terras indígenas homologadas.

Na prática, a medida vai transferir para alguns latifundiários do país mais de 65 milhões de hectares. Isso significa duas vezes e meia o território do estado de São Paulo ou sete vezes o território de Portugal. A aprovação da medida nesse momento significa a destruição da Amazônia.

Um processo de destruição que pode durar anos e até décadas para se chegar a homologação de uma terra indígena e, no atual governo Bolsonaro é praticamente impossível. As terras indígenas que não foram homologadas deixam de ser consideradas como terras indígenas e favorece a grilagem de terras e as ações do latifúndio.

Uma história que se repete como fraude e grilagem. Na história desse País, a grilagem, ou seja, alguns latifundiários faziam um documento falso, colocavam em uma gaveta junto com grilos por alguns dias e semanas, e esse papel amarelava, dando a impressão de ser um papel antigo. E com isso se formou grande parte do latifúndio brasileiro junto com os jagunços que mataram também pequenos agricultores.

O ataque do Estado Fascista, na verdade, não tem paralelo. A medida contra os indígenas é enorme porque a própria legislação não define terra indígena apenas a que foi “homologada”.. Com isso, a violência e conflitos vão aumentar levando a uma mortandade que beira ao genocídio.

A dura medida do Estado é parte de um projeto fascista. É preciso derrotar o governo Bolsonaro e dos golpistas. Necessário um movimento independente desses setores da direita golpista que hoje estão contra Bolsonaro por mera aparência, mas apoiam toda a sua política de ataques aos povos indígenas e a luta pela terra.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas