Bolsonaro em campanha
Cortes na áreas sociais vão tirar quase todo orçamento do Ministério da Cidadania e deixarão Educação sem investimento na educação básica
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
mec
Educação continuará sem orçamento. Parte do plano de privatização. | Foto: Reprodução

O presidente golpista, Jair Bolsonaro, já em clima de campanha para 2022, quer fazer um corte bilionário em despesas da Educação, de programas sociais, que incluem atendimento a crianças de até 3 anos, e de ministérios como a Agricultura para turbinar o Plano Pró-Brasil de investimentos públicos e outras ações apadrinhadas pelo Congresso Nacional. (O Estado de S.Paulo, 17/9/20) Os alvos dos cortes foram definidos em reunião da Junta de Execução Orçamentária, que é composta pelo ministro de da Economia, que é seu coordenador, e pelo ministro Chefe da Casa Civil da Presidência da República (Decreto 9.884/2019).

Como divulgou o jornal o Estado de S.Paulo, deverão ser cortados R$ 1,57 bilhão da Educação, R$ 120 milhões da Embrapa, R$ 474,2 milhões do Ministério da Cidadania (80% do que há disponível na pasta). O Ministério da Infraestrutura vai receber R$ 1,6 bilhão para obras e os deputados federais e senadores terão R$ 3,3 bilhões para indicar em obras (Revista Fórum, 17/9/20).

O governo quer gastar o que tem em obras que possam gerar benefícios imediatos, já na campanha municipal, para fortalecer a imagem de Bolsonaro visando às eleições de 2022.

Essa proposta está sendo preparada desde abril, quando houve um pequeno atrito entre o ministro da Economia e o general da Casa Civil. No mês passado a ideia de Bolsonaro era investir R$ 35 bilhões em redutos eleitorais, mas teve que desistir desse montante em vista de pressões da área econômica (Folha de S.Paulo, 11/8/20). Mas, como estamos vendo, não desistiu da ideia em si, só redimensionou o montante.

Agora a ideia avança sobre programas voltados às crianças, à educação e à ciência. Alguém na turma do presidente deve ter tido a ideia de tirar pirulito da boca das crianças.

Segundo o jornalista Leonardo Sakamoto, colunista do UOL, apesar de ser avesso a governar, Bolsonaro gosta mesmo é de fazer campanha eleitoral. Por isso começou a inaugurar, como suas, obras de governos anteriores e vai continuar em um roteiro muito semelhante ao que ocorria em sua pré-campanha à Presidência. (UOL, 30/8/20)

Os cortes na Educação já vinham sendo anunciados, mas serão mais profundos e generalizados, atingindo desde creches até universidades. O atual ministro da Educação, pastor presbiteriano e ligado à Universidade Mackenzie, vai fingir um esperneio, para não desagradar de todo o seu público de ministério, mas faz parte de um programa de governo claro para a área, que começa com o enfraquecimento da educação pública visando a privatização do que puderem. O mesmo esperneio fingido têm feito educadores ligados ao PSDB e ao Banco Itaú, como os do Movimentos Todos pela Educação, que reclamam dos cortes, mas continuam apoiando as iniciativas privatizantes do ministério.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas