A serviço do latifúndio
Camponeses sem terra devem reagir a mais essa ameaça fascista, aumentando o número de ocupações, lutando pelo direito ao armamento e tendo o apoio dos trabalhadores da cidade
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
©Lindomar Cruz/ABrr4280e5c1ccdbdrBrasília - Militares fazem a segurança do Centro de Convenções Ulysses Guimarães, na abertura da Cúpula América do Sul-Países Árabes. Foto: Lindomar Cruz/ABr rbaixar imagem em alta qualidade
Militares devem ser rechaçados pela mobilização dos sem terra.Foto: Lindomar Cruz/Flickr (CC BY 2.0) |

Da redação – O presidente ilegítimo Jair Bolsonaro anunciou hoje (25) que vai editar um projeto de lei estabelecendo a possibilidade de empregar a Garantia da Lei e da Ordem (GLO) para desocupar terras de latifundiários, ameaçando assim enviar militares para massacrarem os camponeses sem terra.

A decisão de Bolsonaro foi justificada pela desculpa de que os governadores não estariam agindo para pedir a atuação das forças armadas através da GLO contra ocupações. Assim, Bolsonaro demonstra mais uma vez e claramente que é um capacho dos latifundiários e que quer estabelecer uma ditadura militar não só nas cidades, mas também no campo.

“Quando marginais invadem propriedades rurais, e o juiz determina a reintegração de posse, como é quase como regra que governadores protelam, poderia, pelo nosso projeto, ter uma GLO do campo para chegar e tirar o cara”, afirmou.

Além disso, como era típico durante a ditadura militar, Bolsonaro quer passar por cima dos direitos dos estados e realizar uma intervenção do poder executivo federal.

Mas o mais perigoso é o uso do exército contra os sem terra. O presidente ilegítimo, assim, quer promover uma chacina no campo. Os movimentos de luta pela terra, como o MST e a Liga dos Camponeses Pobres (LCP) devem, para combater a reação fascista, aumentar o número de ocupações de terra.

Devem, além disso, lutar pelo direito ao armamento da população, uma vez que os sem terra são um dos setores mais oprimidos e vulneráveis, que já sofrem com a brutal violência dos latifundiários armados, e que podem agora ser vítima da repressão militar. Também devem ter a total solidariedade e apoio prático das organizações dos trabalhadores das cidades e da esquerda no geral para que construam comitês de autodefesa e se unam ao movimento de luta contra o golpe e a direita e pelo Fora Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas