Bolsonaro, o presidente da minoria

PoderIdeias-JairBolsonaro-Bolsonaro-Almoco-Paiantella-Poder360-08mai2018-FotoSergioLima
A imprensa capitalista após a eleição do candidato fascista, Jair Bolsonaro, vem apresentando o então presidente como sendo eleito pela maioria, uma maioria ampla.
A intenção é clara, dar legitimidade a uma eleição que é uma das maiores fraudes da história do Brasil. Mas o fato é que a eleição, ao contrário de ser a “festa democrática” que foi apresentada pela esquerda pequeno burguesa, foi um processo fraudulento desde o início de 2018.
Em primeiro lugar o candidato de fato, mais popular, da eleição,   Luís Inácio Lula da Silva, foi impedido da maneira mais arbitrária de participar das eleições. Lula, caso participasse, seria o candidato mais votado, este sim, com ampla maioria.
Com a saída de Lula da corrida presidencial, restou para os golpistas manipular os votos de maneira mais facilitada, já que apresentar Bolsonaro como popular e com uma votação de 57 milhões de votos, com Lula presente no pleito, não seria tão viável como foi com Fernando Haddad.
Bolsonaro foi “eleito” com pouco mais de 57 milhões de votos registrados, nas ultra suspeitas, urnas eletrônicas e Fernando Haddad com 47 milhões de votos. O truque da manipulação está em apresentar que entre os votos válidos Bolsonaro obteve 57% da votação e Haddad 47%. Ou seja, a maioria do povo brasileiro quer Bolsonaro presidente.
O que ficou oculto desta conta foram 42 milhões de brasileiros que não votaram em ninguém nesta eleição. Pouco mais de 2 milhões votaram em branco, 8 milhões nulos e 31 milhões sequer compareceram às urnas para votar. Este número referente aos eleitores aptos a votar, não considerando os que tiveram os títulos cancelados.
Ao todo 89 milhões de eleitores brasileiros não votaram em Bolsonaro, de um total de 146 milhões, 60,6% não querem Bolsonaro presidente. A tal “ampla” maioria de Bolsonaro é na verdade de 39,4%.
Este resultado mostra que a burguesia e os golpistas que apoiam Bolsonaro, mesmo controlando a eleição e consequentemente manipulando de todas as formas o processo eleitoral não conseguiram um resultado que de fato, e de maneira mesmo que numérica, fosse uma derrota avassaladora para o PT. A burguesia não é tão forte quanto parece. Bolsonaro não é tão forte quanto parece.
Os golpistas conseguiram 39,4% dos votos, mas não 39,4% de apoio, pois o voto é um apoio muito fluido e difuso que pode ser dissipado facilmente. É um governo fraco e instável que precisa ser confrontado imediatamente nas ruas com a palavra de ordem de Fora Bolsonaro e Todos os Golpistas!