Bolsonaro não quer armar o povo: entenda o porquê

_Nicole__a_French_Partisan_Who_Captured_25_Nazis_in_the_Chartres_Area,_in_Addition_to_Liquidating_Others,_Poses_with..._-_NARA_-_5957431_-_cropped

Com o fim da farsa eleitoral e o inicio do governo ilegitimo do fascista Jair Bolsonaro, todas as campanhas demagógicas que a extrema direita levou adiante durante as eleições começam a cair por terra. Em pouquíssimo tempo de governo a extrema direita já deixou muito claro que suas políticas serão de guerra contra o povo trabalhador e de favorecimento total dos capitalista e banqueiros, principalmente os estrangeiros para os quais Bolsonaro não passa de um capacho, um mero serviçal.

Uma das maiores mentiras da qual a extrema direita fez uso durante o processo completamente ilegal das eleições era de que o governo Bolsonaro levaria adiante o armamento da população ampliando a posse e o porte de armas para o conjunto dos brasileiros. Na verdade, a promessa eleitoral não passava de pura demagogia da extrema direita que jamais quis de fato levar tal política adiante.

Essa semana, a equipe de governo de Bolsonaro teria elaborado um esboço de como seria a tal “liberação de armas” que a extrema direita propôs durante as eleições, e entregou para o atual presidente que deverá analisar e colocar em vigor por meio de um decreto. De acordo com o que foi informado o esboço não tem absolutamente nada a ver com a campanha demagógica realizada nas eleições e propõe apenas uma sutil flexibilização da “posse” de armas (quando o cidadão é autorizado a manter a arma na sua residência ou local de trabalho) que parece muito mais um esforço do governo para “fazer média” com uma pequena parte da população que o apoia do que qualquer tentativa real de armar o povo. De acordo com o esboço enviado ao presidente ilegítimo o decreto autorizaria a compra de armas em zonas rurais ou cidades com altas taxas de homicídios, mas manteria todos os pré-requisitos atuais, tais como a exigência de curso de tiro, realização de exame psicotécnico e ausência de antecedentes criminais.

O que tem que ser dito, e que a maior parte da esquerda não compreende, é que a extrema direita e burguesia não possuem nenhum interesse real em armar a população trabalhadora, apenas utilizam esta promessa como forma de impulsionar o armamento cada vez maior dos aparatos de repressão policial e militar que atuam justamente contra o povo. O próprio caso do decreto esboçado pela equipe de governo de Bolsonaro deixa isso claro na medida em que tem como um de seus objetivos armar cada vez mais os grandes latifundiários e seus jagunços enquanto deixa totalmente indefesos os camponeses e grupos indígenas que lutam pelo direito a terra no país.

O armamento geral da população trabalhadora é, e sempre foi, uma das pautas mais importantes da esquerda revolucionária, pois os trabalhadores e suas organizações precisam estar devidamente equipados para reagir a violência e opressão do Estado burguês que todos os dias assassina dezenas de pessoas nas favelas e zonas rurais do país. Para a burguesia sempre interessou o desarmamento da população, pois assim se mantém o monopólio das armas na mão apenas da polícia, das Forças Armadas e das empresas privadas de segurança, que atuam sempre em favor da manutenção da propriedade privada e dos lucros do patrões.

Nesse sentido, é cada vez mais importante levar adiante uma campanha para colocar abaixo a demagogia da extrema direita a respeito do armamento da população, deixando claro que Bolsonaro e conjunto da direita golpista não querem e nem jamais quiseram de fato oferecer as condições para o povo se defender, a eles interessa apenas a passividade dos trabalhadores e que apenas a burguesia tenha direito de andar armada. Na luta contra a burguesia os trabalhadores e suas organizações devem sempre lutar para tomar em suas mãos os meios de realizarem sua própria defesa, sem depender das instituições burguesas.