Rejeitado e impopular, Bolsonaro tenta fazer demagogia na Bahia

bolsonaro bahia

Depois de ser flagrado em vídeo chamando governadores nordestinos pejorativamente de “paraíbas”, reproduzindo um termo xenófobo típico no Rio de Janeiro, o golpista ilegítimo Jair Bolsonaro foi à Bahia para tentar consertar o estrago. Na terça-feira (23), Bolsonaro foi a Vitória da Conquista para inaugurar o aeroporto Glauber Rocha, que teve suas obras iniciadas durante o governo de Dilma Rousseff. O plano era demonstrar sua popularidade. A realidade, no entanto, foi um completo fiasco para o governo, e o episódio ajudou a demonstrar a imensa impopularidade da direita golpista, mais uma vez.

Primeiro Bolsonaro acusou o governador da Bahia, Rui Costa, que não compareceu ao evento, de não fornecer segurança para a inauguração. O petista defendeu-se dizendo que isso não seria responsabilidade da PM do estado. Porém o fato importante em meio a essa troca de acusações é que o presidente golpista não deixou de garantir sua segurança. Homens da Polícia Federal foram enviados em peso ao local para proteger o governo da ira popular. Desde as primeiras horas do dia Vitória da Conquista foi palco de protestos contra Bolsonaro.

O presidente tentou falsificar a realidade postando um vídeo na Internet. Na postagem, o ilegítimo diz estar sendo ovacionado. O que se vê no vídeo, contudo, é que ele está cercado apenas de um pequeno grupo de apoiadores que ele mesmo convidou. O povo ficou do lado de fora, para a sorte de Bolsonaro, porque se estivesse no local o presidente estaria em perigo. Policiais da PF foram posicionados até em cima dos telhados do aeroporto, com atiradores de elite, em um forte esquema de segurança. A direita golpista transformou o aeroporto em um bunker para proteger políticos odiados pelo povo.

Para completar o quadro grotesco, Bolsonaro disse durante a inauguração do aeroporto que “ama o Nordeste” e que nas “veias de sua filha” correria “sangue de cabra da peste”. Uma tentativa desastrada de demagogia. A realidade, porém, acaba se impondo. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi alvo de protestos no Pará enquanto jantava com sua família. Bolsonaro precisa transformar um aeroporto em uma fortaleza inexpugnável para fazer suas encenações e postá-las nas redes sociais. Tanto em um caso como no outro, o que se vê é a indisfarçável impopularidade do governo. Em menos de um ano, Bolsonaro já está se transformando em um Temer. O que corresponde muito bem à sua política.