Repressão em larga escala
A Operação Divisas Integradas III envolve agentes das Polícias Militar, Civil e Técnico-científica de quatro Estados e apoio das Forças Armadas e agentes federais.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
8859921_x720
A Operação Divisas Integradas III tem os mesmos objetivos ocultos da Operação Bandeirantes | Foto: Reprodução

Está em andamento nesta quinta-feira (29) a “Operação Divisas Integradas III”. As forças de repressão dos Estados de São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais estão atuando de forma conjunta, com o pretexto de combater organizações criminosas que atuam com o tráfico de armas, contrabando de cigarros, furto e roubo de veículos nas fronteiras dos quatro Estados.

A Operação envolve as Polícias Civil, Militar, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Marinha, Exército e da Agência Nacional de Transportes Terrestres. No total, são mais de 20 mil agentes mobilizados, com 6.500 viaturas, 17 aeronaves, drones, cães farejadores e embarcações. Os dados são da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP).

O general do Exército Carlos Sérgio Câmara Saú é o coordenador do  Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) da SSP. A operação conta com a atuação conjunta das diversas forças de repressão do Estado (Polícia Civil, PM, PRF, PF, Forças Armadas, ANTT).

A primeira coisa a ser destacada é que conforme a crise econômica avança, resultando na insatisfação social generalizada com a miséria e com os efeitos da política neoliberal implementada desde o golpe de Estado de 2016, o presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL, sem partido) e os governadores de direita atuam para montar um poderoso aparato de repressão para atacar com selvageria a população no momento em que esta se insurgir nas ruas.

Além disso, a articulação entre as forças de repressão acende um sinal de alerta para a esquerda. Isto por que uma operação desta envergadura pode ter implicações muito maiores do que perseguir criminosos. Os recursos públicos envolvidos para sua execução demonstra que a repressão ao povo é uma das principais preocupações de Jair Bolsonaro e do bloco político golpista que comanda os Estados.

A Operação Divisas Integradas III pode se revelar um exercício de repressão em larga escala contra os opositores políticos do regime. O uso para fins de repressão político pode estar no horizonte do governo burguês mas de qualquer modo, o terror do Estado ganha força com tamanho aparato.

É preciso que as organizações operárias, partidos de esquerda e movimentos sociais exijam a imediata dissolução de todo o aparelho repressivo do Estado, uma verdadeira máquina de guerra contra a população explorada.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas