Menu da Rede

TSE antidemocrático prepara fraude nas eleições

Armação

Bolsonaro monta farsa em visita à terra dos Yanomami

A primeira visita de Jair Bolsonaro a uma Terra Indígena foi marcada por preparo prévio de seus assessores, falta de diálogo com a comunidade, lideranças trazidas de outros estados

Após invasão de garimpeiros, Bolsonaro faz visita à terra indígena – Reprodução

Por Brasil de Fato

A primeira visita de Jair Bolsonaro a uma Terra Indígena foi marcada por preparo prévio de seus assessores, falta de diálogo com a comunidade, lideranças trazidas de outros estados e clima teatral. 

As fotos de São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas, divulgadas pelo Planalto mostram um grupo de indígenas felizes com a presença do presidente e um ambiente de comemoração com a inauguração da Ponte Rodrigo e Cibele, de 18 metros de comprimento por sete de largura. A ponte de madeira é um acesso da BR-307 que cruza a Terra Indígena Yanomami (TIY) e liga o município à comunidades indígenas em Maturacá. 

08b641a2a344b57cf56c8872466dc5dd
Cenário para fotos foi articulado por assessores da presidência dias antes, denunciam indígenas / Marcos Corrêa/PR

A ponte inaugurada fica na TI Balaio, morada de indígenas de diversas etnias, mas Bolsonaro não se atentou as especificidades da região multiétnica e resumiu tudo como se todos os indígenas da localidade integrassem o “Povo Balaio”, uma atitude considerada desrespeitosa pelas lideranças. 

Com o teatro armado, o constrangimento era grande. Mesmo o Brasil já tendo registrado quase 55 mil casos de contaminação por coronavírus em indígenas, resultando em 1.092 mortes e 163 povos atingidos, Jair Bolsonaro chegou ao local e ficou boa parte do tempo sem máscara. Nos últimos dias o presidente esteve em várias cidades, estados, em aglomerações e manifestações. 

Estava presente, ao lado de Bolsonaro e aplaudindo a situação, Álvaro Tukano, indígena que deixou a Terra do Balaio para viver em Brasília (DF), além de apoiar a mineração do Alto do Rio Negro. Como ele, outros líderes autoproclamados se enfileiravam ao lado do presidente. 

b90215524d30c4721976e264080faf66
Da esquerda para a direita, Álvaro Tukano, Jair Bolsonaro sem máscara, e duas crianças indígenas da TI Balaio / Marcos Corrêa/PR

A inauguração gerou receio e medo na região, já que os indígenas temem que a ponte possa facilitar a chegada de garimpeiros ilegais e mineradoras na TI.

O prefeito não foi envolvido no evento, nem o Bispo da diocese local. O presidente também não esteve na Câmara Municipal, nem visitou a Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN), protocolos seguidos por presidentes anteriores que estiveram na região, como Lula e Fernando Henrique Cardoso.  

Encontro fora da comunidade 

a7787d2f16f5a35eb193d46d41856351
Indígenas Yanomami e Jair Bolsonaro na TIY, no última quinta-feira 25 de maio de 2021 / Valdemar Lins Yanomami

A segunda agenda de Bolsonaro aconteceu no 5º Pelotão de Fronteira do Exército que fica dentro da Terra Indígena Yanomami, região da Comunidade Maturacá, mas não próximo às casas dos povos originários. 

As fotos de Valdemar Lins Yanomami mostram a organização dos indígenas, a posição diante do presidente e o recado de resistência. 

209a6e626e4e87fe9f7dfffc0e441ecc
Indígenas Yanomami esperando a chegada de Jair Bolsonaro na TIY, no última quinta-feira 25 de maio de 2021 / Valdemar Lins Yanomami

“Tem outros irmãos índios, em outros locais, dentro e fora da Amazônia, que desejam minerar terra, que desejam cultivar terra, e nós vamos respeitar esse direito deles”, disse. 

Ignorando a realidade brasileira do garimpo ilegal e as tentativas de regulamentação por parte dos governos federal e estaduais, Jair Bolsonaro disse que “jamais aprovaríamos uma lei para ser obrigados que a terra fosse explorada por quem quer que seja. Isso não acontecerá. O projeto que está lá, é a etnia que quiser explorar, explora, quem não desejar não será explorado”. 

A região do Pico da Neblina não sofre hoje com o garimpo, mas a demanda dos indígenas tem caráter de prevenção, uma vez que a realidade em outras áreas da Terra Indígena Yanomami é bem diferente. Em Roraima, por exemplo, a Comunidade Palimiu vêm sendo atacada sistematicamente por garimpeiros armados com metralhadoras e bombas. 

Palanque para 2022

A Foirn representa 92 associações de base nos municípios de Barcelos, Santa Isabel do Rio Negro e São Gabriel da Cachoeira, no Noroeste Amazônico, região também conhecida como Cabeça do Cachorro, e divulgou na noite de ontem uma nota sobre a visita de Bolsonaro; 

“Mesmo a Foirn sendo a instituição que há mais de três décadas trabalha em prol de políticas públicas para os povos da região, não fomos incluídos na agenda e sequer convidados para qualquer diálogo com o presidente da República a respeito destes planos de gestão e outros temas de nosso interesse”, ressaltam. 

“O líder máximo do Brasil, contudo, preferiu uma agenda feita ‘às escondidas’, na qual ele e seus assessores se deram ao trabalho de ‘preparar palanque’ para fotos e vídeos de sua campanha eleitoral para 2022”, denunciam. 

“Ao invés de convidar as lideranças e instituições reconhecidas e comprometidas com o coletivo, privilegiou uma agenda com líderes autoproclamados, como ocorreu na Terra Indígena do Balaio, para mais uma vez produzir fake news e narrativas grotescas sobre nosso povo e nossa cultura”.No documento, a Federação ressalta a irresponsabilidade de Bolsonaro. 

“Em sua live semanal, gravada na última quinta-feira (27) no Pelotão de Fronteira de Maturacá, o presidente comparou a medicina tradicional indígena com o kit Covid, tentando ridicularizar a CPI do Senado, que investiga as denúncias de prescrição de remédios sem eficácia, como a cloroquina. Mais uma vez, Bolsonaro demonstra apreço em confundir a opinião pública para se livrar de acusações graves em relação à condução da gestão da pandemia de Covid-19, que já matou mais de 450 mil brasileiros”. 

“O desprezo por nosso povo indígena é tanto que o presidente sequer se deu o trabalho de conhecer nossa diversidade, criando ao seu bel-prazer uma nova etnia, a do povo Balaio, que não existe no Brasil e em nenhum lugar do mundo. Seu ato de simplificar e generalizar não condiz com sua posição de presidente da República”. 

Marivelton Barroso, do povo Baré, presidente da Foirn, pontua que o comportamento do presidente despreza o povo brasileiro.

“Bolsonaro mais uma vez ignora os problemas e humilha o povo brasileiro. O presidente não encontrou com as instituições que mais ajudaram a combater a pandemia de Covid-19 aqui na região e sequer fez menção ao combate ao garimpo ilegal, narcotráfico e outros assuntos graves que assolam as terras indígenas aqui na região da tríplice fronteira com a Venezuela e Colômbia”.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.