Mentira internacional
Presidente golpista mente descaradamente e se coloca como capacho dos norte-americanos contra a Venezuela e China
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Bolsonaro_mentiroso
Bolsonaro cara de pau mente para a ONU como se falasse para seus seguidores | Foto: Reprodução

O presidente golpista fez o discurso de abertura da Assembleia da Organização das Nações Unidas (ONU), na terça-feira (22), em vídeo gravado e enviado uma semana antes. Não mudou seu método, mentiu o tempo todo, apesar de estar falando para outro público. Em uma das partes do discurso anunciou ao mundo que já pagou cerca de 1.000 dólares a 65 milhões de beneficiários do auxílio emergencial (Brasil Econômico, 22/9/20).

Ao final, o auxílio emergencial será pago em cinco parcelas de R$ 600 e quatro de R$ 300. A soma é de R$ 4.200. Isso em dólares equivale a aproximadamente 752,69. Mentindo, Bolsonaro colocou mais R$ 1.379,99 no hipotético bolso dos brasileiros. Isso sem falar que mais de 10 milhões de pessoas que têm direito não receberam o auxílio enquanto que 70 mil militares que não tinham direito receberam em suas contas bancárias irregularmente (O Estado de Minas, 12/5/20).

Além disso, esconde que seu governo propôs, em março, auxílio de R$ 200. A pressão popular sobre o Congresso Nacional fez esse valor chegar a R$ 600. Como esse auxílio está pesando muito em favor do governo nas pesquisas eleitorais, agora ele posa de pai da iniciativa.

Não ficou só nisso. Disse que o governo defende o meio ambiente e quem coloca fogo na floresta são indígenas e caboclos. Tentando esconder que ele incentiva a ocupação predatória das florestas e de terras indígenas, sendo este o governo mais genocida desde a ditadura militar. Ele escondeu que até agora a Polícia Federal já identificou pelo menos 4 latifundiários como responsáveis pela destruição de 33 mil hectares na Serra do Amolar, em Mato Grosso do Sul (G1, 16/9/20).

E não parou por aí. Fez propaganda de um remédio que já foi recusado por organismos internacionais de saúde e pesquisadores, e disse que o agronegócio traz desenvolvimento. Isso tudo para esconder a escalada sem precedentes de destruição da floresta amazônica neste último ano, provocada especialmente por pecuaristas, madeireiros e garimpeiros, com a proteção dos militares brasileiros e de uma ação sistemática do governo contra os órgãos ambientais e seus funcionários.

Ele seria um loroteiro qualquer se não fosse responsável pela destruição do país. A fome voltou a crescer no Brasil e segundo o IBGE atinge 10,3 milhões de brasileiros. Pela primeira vez o número de pessoas desempregadas é maior que as empregadas. Os povos indígenas estão sendo ameaçados de extermínio e quem puxa a fila de assassinos é justamente o governo. Bolsonaro já havia eleito os indígenas e quilombolas como seus inimigos desde a farsa da campanha eleitoral.

Outro destaque no discurso foi o caráter subalterno e de capacho do presidente brasileiro ao imperialismo norte-americano. Fez campanha eleitoral para Trump e se colocou como subordinado nos principais assuntos internacionais da atualidade, apoiando ações contra a China e a Venezuela. No caso desse nosso vizinho, ainda mentiu colocando sobre a Venezuela a responsabilidade pelo petróleo derramado no litoral brasileiro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas