Regime ditatorial
Dossiê levantado funcionários da EBC , por sindicatos de radialistas e jornalistas, denuncia 138 interferências em matérias entre 2019 e 2020 .
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Revista Veja
Matéria: Presidente da República recebe os novos Embaixadores
Personagem: Jair Bolsonaro, presidente da República
Foto: Cristiano Mariz
Data:04/06/2019
Local: Palácio do Planalto-  Brasília - DF
Jair Bolsonaro, presidente do Brasil. | Foto: reprodução

Nesta semana foi divulgado um dossiê que denuncia a manipulação e omissão de notícias por parte da EBC ( Empresa Brasileira de Comunicação) , por parte do governo Bolsonaro.

A EBC foi criada em 2008, durante o segundo mandato do ex-presidente Lula (PT). A empresa é responsável por diversos programas em diferentes plataformas, entre eles TV Brasil, Agência Brasil, Radio Agência Nacional, Rádio Nacional AM do Rio de Janeiro, Rádio Nacional AM de Brasília e Rádio Nacional do Alto Solimões. A EBC também é responsável pela produção do tradicional programa de rádio “A Voz do Brasil”.

A partir do governo Temer , a empresa sofreu intervenção na qual extinto seu caráter independente através da dissolução de seu  conselho curador, composto por representantes da sociedade civil . Este conselho garantia mecanismos de controle social uma vez que a empresa embora seja um braço institucional para difusão de informação, também possui  caráter e função pública que necessita de independência para o jornalismo.

O dossiê levantado pelos próprios funcionários da EBC , por sindicatos de radialistas e jornalistas, denuncia censura à matérias realizadas  e o uso do empresa para propagandear o governo federal de forma manipulativa  de janeiro de 2019 a julho de 2020.

É o segundo dossiê realizado em parceria com a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) que desta vez relata 138 interferências nas publicações da EBC. Dentre estas estão a censura à cobertura do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes, a cobertura à violação de direitos indígenas e a  interdição de fontes como Anistia Internacional e Human Rights Wacth.

O relatório além de expor  a supressão de pautas como desmatamento na Amazônia , as queimadas no pantanal e ainda número de óbitos pela Pandemia de coronavírus, destaca que notícias sobre os ministérios “ideológicos” como  o Ministério da Educação e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, são protegidos e os jornalistas impedidos de fazerem qualquer crítica.

A revelação não é surpresa diante de um governo abertamente ditatorial. A censura à notícia é a marca registrada  de governos antidemocráticos  como forma de controle social e de sustentação política.

No governo de Bolsonaro, herdeiro do golpe de 2016, que cassou o mandato de Dilma Roussef sem provas e na sequência impediu a candidatura de Lula, o cerceamento à liberdade de expressão é algo vital  para sua sustentação.

Um governo artificial, mantido pela burguesia e os militares e fruto de uma fraude eleitoral necessita de censura e ao mesmo tempo propaganda das bravatas Bolsonaristas para que continue a enganar os poucos que ainda apoiam o pior governo de que o povo Brasileiro já teve em sua história.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas