Fascismo e Universidades
A reitora escolhida ficou apenas em terceiro lugar na disputa, com 18,33% dos votos válidos.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
greve-nas-universidades-federais-e-tudo-o-que-o-bolsonaro-quer
A defesa das Universidades é uma das lutas imediatas. | Foto: reprodução.

Durante a solenidade de entrega de unidades habitacionais em Mossoró, na última sexta-feira (21), o presidente Jair Bolsonaro anunciou o nome da nova reitora da Universidade Federal do Semi-Árido (Ufersa), Ludimilla Oliveira, professora que ficou em terceiro lugar na disputa eleitoral pelo cargo de reitor/reitora da Universidade. Ela irá chefiar a instituição durante os próximos quatro anos.

No caso, a escolhida ficou em terceiro lugar, com apenas 18,33% dos votos válidos. A escolha, geralmente, se dava pelo candidato mais votado pelos professores, funcionários e alunos. Este fato torna a escolha do presidente algo no mínimo curioso, melhor dizendo, suspeito.

O que se apresenta é, claramente, uma das características do Fascismo ao qual o governo tendencialmente se alinha: o controle das Escolas e Universidades Públicas. As Universidades, apesar de todo controle da burguesia, são um reduto do pensamento crítico e dos movimentos estudantis com caráter de classe.

Tal qual a ditadura militar de 1964 acabou com os cursos de Sociologia e Filosofia, o governo Bolsonaro também precisará fazê-lo. Esta característica de “anti-intelectualismo” é central para se entender o porquê de denunciarmos o Fascismo existente no Brasil. Ele acaba com uma certa democracia que outrora existia na escolha do reitor para passar a uma prática de controle dos que ocupam o cargo.

Deixemos outro exemplo recente. Na reunião ministerial fatídica realizada em 22 de abril e exposta ao público um mês depois, vemos como o ministro da Economia, o neoliberal Paulo Guedes, defende abertamente a destruição total do Ensino Superior, alegando que se “gasta demais” e que o “correto” era jogar a juventude para o embrutecimento alienante do Exército.

Pouco tempo depois, Bolsonaro editou uma Medida Provisória, no dia 10 de junho, que permitia o então ministro da Educação Abraham Weintraub escolher os reitores e vice-reitores temporários das Universidades Federais, Institutos federais e do Colégio Pedro II durante o período de quarentena, em casos de término de mandato durante o mesmo período. Isso daria um poder,  ditatorial ao ministro, claro, subordinado ao presidente, que por sua vez, é representante da classe dominante.

Diante dos fatos supracitados, resta-nos a reafirmação da necessidade da luta contra o ataque fascista às Universidades, da mobilização contra o Bolsonaro e demais militares golpistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas