Primeira privatização fascista
Ceitec, a única na América Latina a desenvolver e produzir chips e semicondutores foi decretada fechada pelo fascismo. É a primeira e outras estão a caminho
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
images (1)
Governo vai fechar as estatais Valec e Ceitec | Foto: Sinpaf - Sind. Nacional dos Trabalhadores em Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário - Sete Lagoas (MG)

Conforme denúncia efetuada no jornal Brasil 247, o governo fascista de Bolsonaro publicou no DO da União o decreto nº 10578 que autoriza a “desestatização” do Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada, a Ceitec com sede em Porto Alegre (RS), na modalidade “dissolução societária”.

A dissolução societária refere-se ao fato que a empresa foi criada em 2008 pelo governo federal com participação do ministério da economia (ME), ministério da ciência tecnologia e investimentos científicos (MCTI) e do banco nacional de desenvolvimento econômico e social (BNDES). Era uma empresa de sociedade anônima de capital fechado e vinculada ao MCTI.

O objetivo de sua criação era de atuar no desenvolvimento de solução científica e tecnológica na área de semicondutores (usados na fabricação de componentes eletrônicos), de microeletrônica e correlatas, como o uso de chips logísticos e etiquetas de patrimônio para órgãos públicos e empresas. Conseguiu desenvolver projeto de sensor para detecção do covid-19.

Era a única empresa de chip e semicondutores em atividade na América Latina. Entre chips, etiquetas e sensores, são cerca de 50 produtos para áreas como logística, veicular, segurança, saúde e agronegócio. Além de produzir esses materiais, e atuar em  pesquisas de novas tecnologias, também se ocupava da formação de técnicos especializados na área. Tudo isso com um quadro de cerca de 180 funcionários, a grande maioria concursados.

A empresa nasceu com o objetivo de encampar os projetos desenvolvidos pelas universidades UFRGS e PUCRS, e teve apoio dos governos do Rio Grande do Sul e da prefeitura de Porto Alegre, durante o governo Lula em 2008.

Para fechar a empresa, o governo imperialista passou por cima de decisões que ainda estão tramitando no tribunal de contas da união, no supremo tribunal federal e o PDL (Projeto de Decreto Legislativo) na câmara, de iniciativa do PT, que corta os efeitos do decreto, mostrando o caráter liquidacionista do estado brasileiro pelos neoliberais fascistas.

E como a empresa foi fundada no governo do Lula, cumprem as duas metas fundamentais do imperialismo, entregam as empresas estatais e as riquezas do povo, e retiram da vida política do país o PT, maior partido de esquerda do país e talvez da América Latina.

A associação dos funcionários da Ceitec, melhor dizendo, dos ex-funcionários, declarou que sai mais caro fechar a empresa que mantê-la funcionando, e que o decreto promove o entreguismo do país.

Como dito em matéria deste jornal anteriormente, “O fim da empresa será ‘a condenação e a submissão, tecnológica e inovativa, das futuras gerações’, sabotagem que se iniciou por Temer e agora está para ser liquidada por Bolsonaro. Segundo ele, “o processo de entrega da soberania nacional está a todo vapor. É a segunda fase da campanha de Bolsonaro e que agora começa a ser colocada em prática. E na contramão de outros países.”

Vê-se que a intenção é destruir a indústria nacional e entregar empresas e a renda do povo ao imperialismo fascista, assim como apagar todas as marcas que o PT, o Lula e a Dilma deixaram em benefício da economia brasileira. 

Se essa política entreguista não for barrada pela classe trabalhadora, não restará nada na lembrança do povo e nos livros de história que um dia o país foi governado por um partido de esquerda. Pela maior liderança política que foi Lula, e só restará escombros de uma nação que chegou a ser a 7ª economia entre os cerca de 200 países no planeta.

Com a política neoliberal implantada novamente a partir do golpe de estado de 2016 e um fraudulento governo fascista implantado, estamos assistindo a algo semelhante que ocorreu no Reino Unido durante o governo da primeira ministra Margaret Thatcher. Destruição dos direitos do povo e do parque industrial, deixando o país atrás de economias como a Índia, China e Japão.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas