Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
nota-pco
|

Nota oficial do Partido da Causa Operária

Em sua primeira viagem oficial aos Estados Unidos, Jair Bolsonaro deu um espetáculo lamentável de subserviência a Donald Trump e aos interesses norte-americanos.

Um dos episódios que mostraram essa atitude de submissão foi a liberação unilateral de vistos para turistas norte-americanos. O Itamaraty historicamente adotava o princípio da reciprocidade, ou seja, se os brasileiros necessitam de visto para visitar um determinado país, os habitantes desse país deveriam passar pelo mesmo procedimento. Durante o seu governo, Lula havia determinado inclusive que todos os procedimentos exigidos dos brasileiros para entrar nos Estados Unidos, fossem exigidos também dos turistas norte-americanos. Sob o governo Bolsonaro e o ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, a política mudou e os turistas norte-americanos e de outros países desenvolvidos foram beneficiados sem que houvesse nenhuma contrapartida. Pelo contrário, o governo de Trump, que Bolsonaro tanto admira, dificultou a entrada dos brasileiros, como parte do endurecimento da política contra a imigração. Essa é uma medida humilhante para os brasileiros, que nos coloca como nação que se submete caninamente aos interesses dos EUA, mesmo que o tratamento deles para conosco seja diametralmente oposta.

Outra exigência de Trump para Bolsonaro foi que o Brasil renuncie ao título de país em desenvolvimento na OMC (Organização Mundial do Comércio), o que lhe confere inúmeros benefícios. Isso é algo que os EUA tentaram com a China, mas que não obteve sucesso.

Em troca, Trump cobrou que o Brasil elimine o que ainda existe de barreira comercial que impede a entrada ainda maior das empresas dos EUA e mantém uma pequena proteção à economia brasileira contra uma devastação total que pode ser causada pela entrada sem barreiras do grande capital norte-americano.

Na realidade, a política de Bolsonaro e dos ministros capachos dos norte-americanos, com destaque para o Chicago boy Paulo Guedes, já é a de colocar uma placa de “liquidação” no País e chamar os norte-americanos para comprar tudo.

Até mesmo o agronegócio, grande apoiador de Bolsonaro, protestou. Isso porque Bolsonaro anunciou uma isenção de tarifa para a importação de uma cota do trigo norte-americano. Hoje, só os países do Mercosul se beneficiam da isenção. A medida atingiria os parceiros latino-americanos, que já fornecem o trigo que o Brasil necessita, em especial a Argentina, bem como os produtores nacionais, que já protestaram porque a produção de trigo já é subsidiada nos Estados Unidos, ou seja, entraria sem barreiras no Brasil e com um preço mais baixo em razão dos subsídios governamentais, prejudicando os produtores locais.

Uma das medidas mais graves, no entanto, foi a entrega da Base de Alcântara, no Maranhão, para os EUA. A medida vinha sendo negociada pelo menos desde o governo FHC, mas nunca havia sido aprovada. A base serviria para o lançamento de satélites, pois ocupa uma posição estratégica e reduziria os custos para os EUA. Já o Brasil só teria prejuízo. O país investiu muito em tecnologia na base visando o lançamento de satélites brasileiros e agora a base será entregue aos EUA, que já havia declarado, segundo documentos vazados pelo WikiLeaks, que não se opunha à criação da base, desde que isso não resultasse “na transferência de tecnologias de foguetes ao Brasil”. Ou seja, é uma entrega que vai bloquear totalmente o desenvolvimento de tecnologias próprias brasileiras, deixando-nos completamente dependentes dos países desenvolvidos; uma demonstração de submissão vergonhosa. Além disso, a medida abre caminho para a instalação de uma base militar dos EUA no Brasil e não assegura nada aos brasileiros, que ainda seriam proibidos, pelos EUA, de dar andamento aos seus projetos militares.

A viagem de Bolsonaro foi tão vergonhosa para o Brasil que O Estado de S. Paulo declarou que o grande vencedor da viagem foi Donald Trump, que conseguiu tudo o que queria sem ter que dar absolutamente nada em troca.

Tudo isso mostra que o patriotismo de Bolsonaro e dos membros do seu governo não passa de uma grande farsa. É na realidade o contrário do que eles procuram fazer acreditar. Quando dizem “Brasil acima de tudo”, na verdade estão colocando os interesses dos EUA acima dos interesses nacionais. É uma retórica que esconde seu caráter profundamente entreguista e antinacional.

Em diversas oportunidades os membros do governo demonstraram seu desprezo pelo Brasil e seu povo. O vice-presidente Hamilton Mourão declarou que as três raças formadoras da nação, os ibéricos, negros e indígenas, eram “três desgraças”. Já Bolsonaro falou com todas as palavras que o Brasil é um lixo e que a Amazônia não é nossa.

O Partido da Causa Operária repudia toda entrega das riquezas nacionais para o imperialismo e conclama todas as forças de esquerda, democráticas brasileiras a se somarem numa grande campanha pelo fora Bolsonaro e pela liberdade de Lula.

Somente uma ampla mobilização de todos os trabalhadores numa campanha pela derrubada deste governo poderá barrar esse grande retrocesso nas condições de trabalho e vida do povo brasileiro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas