Bolsonaro em Davos: medíocre e subserviente

bolsonaro davos

Na terça-feira (22), o fascista ilegítimo Jair Bolsonaro discursou no Fórum Econômico Mundial, que acontece anualmente em Davos, na Suíça. Perante os líderes e representantes da grande burguesia internacional, o presidente expôs sua condição de mediocridade e subserviência aos interesses estrangeiros.

Dos 45 minutos que tinha ao seu dispor, utilizou apenas 15, já incluindo o tempo para perguntas. Falou de maneira vaga e genérica, demonstrando incompetência diante de seus amos, para prestar contas de seu serviço de capacho.

Mencionou que o Brasil ainda é “uma das economias mais fechadas do mundo”, e mostrou sua intenção de “reduzir o tamanho do Estado” e continuar a “reforma” da Previdência. Bolsonaro falou em aprofundar as privatizações, entre outras políticas catastróficas neoliberais. Embora tentasse se apresentar como um governo “técnico, sem viés ideológico”, elogiou o crescimento da direita no continente sul-americano, que pretende reverter o sentido “bolivariano” que tinha o Mercosul.

Fez de tudo para mostrar aos patrões que está no caminho traçado por eles, quando o escolheram para ser o presidente do Brasil.

A política de Bolsonaro é guiada e controlada de fora do País. O que está fazendo com o patrimônio nacional e com todos os direitos conquistados pela classe trabalhadora é um crime de lesa-pátria.

Bolsonaro está entregando de graça e a ritmo acelerado toda a riqueza e todos os recursos do Brasil para os grandes monopólios imperialistas. Está passando por cima da vontade popular e de todos os direitos democráticos para alcançar plenamente esses objetivos traçados pelos seus patrões.

Somente a luta implacável contra o governo ilegítimo de Bolsonaro poderá desfazer todas essas medidas. Somente a derrubada de seu governo poderá derrotar a extrema-direita e o golpe. E isso somente será possível através da organização e mobilização dos trabalhadores, de maneira independente da burguesia e sem fantasias institucionais.

Contra o governo dos capitalistas estrangeiros, pau-mandado do imperialismo: Fora Bolsonaro!