Fim das ilusões
“Jamais haverá um direito ao aborto, família tradicional está sob ataque e interromper a gravidez não será parte do planejamento familiar” , diz o texto oficial do acordo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
direito ao aborto
Mulheres em manifestação pela legalização ao aborto | Foto: Gilberto Soares

Os governos Bolsonaro, Trump e mais 30 ditaduras se unem para atacar os direitos das mulheres através de um acordo formalmente chamado de “Declaração de Genebra”. O documento que se anuncia em “defesa da vida “, marca oficialmente as alianças da direita fundamentalista cristã e muçulmana contra o direito ao aborto, foi assinado nesta quinta-feira 22 de outubro.

“Jamais haverá um direito ao aborto, família tradicional está sob ataque e interromper a gravidez não será parte do planejamento familiar” , diz o texto oficial do acordo.

Além de uma aliança conservadora, o documento marca um desafio aos acordos celebrados nas Nações Unidas e que orientam as políticas dos países membros afirmando  a independência dos governos a estabelecerem as leis de acordo com seus valores e à revelia do direito internacional.

O evento foi liderado pelo secretário de Saúde dos EUA, Alex Azar, e pelo secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, que por sua vez é ligado ao movimento religioso americano.

Este afirma que a aliança traz “clareza moral” com a finalidade de proteger a família, e ainda que “ não existe um direito internacional ao aborto”.

A ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, pronunciou-se sobre o texto do documento . “Celebramos que o texto da declaração ora assinada consagre a inexistência de um direito à interrupção voluntária da gravidez, como às vezes se afirma em determinados fóruns internacionais”. Disse ainda:  “Que se diga abertamente: nada, no direito internacional dos direitos humanos fundamenta esse hipotético direito de valer-se do aborto como opção do planejamento familiar”.

Também manifestou-se a secretária Nacional de Políticas para as mulheres, Cristiane Brito, dizendo que a Declaração de Genebra será um guia para as políticas públicas no Brasil.

A Declaração de Genebra é mais um dos ataques da direita conservadora aos direitos básicos da população e neste caso das mulheres.

Em todos os países onde existe a criminalização do aborto, em nenhum momento observou-se a diminuição do procedimento por parte da população. Com a demagógica retórica de “proteção à vida”, o que se vê é um aumento dos casos de interrupção da gravidez em condições insalubres, colocando em risco a vida e a saúde das mulheres.

As vítimas desta política de opressão e repressão às mulheres são justamente aquelas das camadas mais pobres da população, pois são estas que são forçadas a levarem adiante uma gravidez indesejada e a criarem seus filhos na miséria aprisionadas ao lar . Este mesmo estado que protege a vida do feto, não se ocupa de proteger a criança garantindo condições de segurança alimentar, trabalho para os pais , escola, saúde e moradia.

Pura demagogia burguesa que com belas palavras tem por intenção manter a população pobre sob seu controle absoluto.

Em tempos de eleição onde não se vê uma palavra que seja da dita “esquerda” no sentido de se opor a esta política de ausência de direitos às mulheres , que fique claro que o direito ao aborto seguro não virá pelas mãos nem da direita nem da esquerda disfarçada de moralista.

O direito ao aborto é fundamental para a libertação da mulher e somente será conquistado por meio da organização popular no combate à extrema direita e ao charlatanismo do discurso moralista que também toma conta de setores de esquerda.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas