Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
maxresdefault
|

O “atentado” contra o candidato da extrema-direita Jair Bolsonaro revelou a hipocrisia de determinados setores de esquerda, que logo após ao ocorrido declararam solidariedade ao candidato fascista, se colocando contra a violência. É preciso ter claro, em primeiro lugar, que o atentado contra Bolsonaro é algo natural, diante do terrorismo feito pela direita e pela extrema-direita contra a população brasileira. O que é estranho, não é a violência contra o fascista, mas o fato do acontecimento não ter acontecido antes, haja vista a brutalidade da direita golpista.

Há mais de dois anos, com o golpe, a direita vem impondo um regime de terror contra o povo. As declarações de Bolsonaro são a expressão mais clara desse fato. Bolsonaro declarou, por exemplo, que apoiava a tortura, as atrocidades cometidas pelo coronel brilhante Ulstra, um dos principais agentes da tortura durante a ditadura militar. Disse, que se eleito, iria metralhar a favela da Rocinha, declarou para uma deputada petista que  não a estuprava porque ela não merecia, atacou os negros, os quilombolas, afirmou recentemente que pretende metralhar os “petralhas” no Acre. Ou seja, uma enxurrada de ameaças contra a população pobre brasileira.

Somado as declarações de Bolsonaro estão os acontecimentos verdadeiramente violentos da direita, o assassinato da vereadora carioca Marielle Franco, o atentado a tiros contra a caravana do ex-presidente Lula, a violência dos grupos fascistas contra o acampamento Marisa Letícia em Curitiba, as milhares de mortes no campo praticada pelos latifundiários, a matança nas periferias das grandes cidades, a própria perseguição política contra a principal liderança popular do país, o ex-presidente Lula, que está preso em Curitiba, sem provas, e impedido de se candidatar de maneira arbitrária.

Nesse sentido, é necessário afirmar que Bolsonaro e sua corja da extrema-direita e da direita são aqueles que impulsionam a violência contra o povo e a classe trabalhadora. São eles que defendem o massacre do povo pobre nas periferias, que impõe um regime de terra arrasada, onde os direitos são suprimidos completamente.

Não nos devemos nos solidarizar com a direita fascista, é preciso combatê-la, por todos os meios necessários. Se solidarizar com fascista é se colocar em uma posição de capacho diante da violência dos principais carrascos do povo. É preciso organizar a luta contra os golpistas, por meio dos comitês de luta contra o golpe. Somente uma mobilização revolucionária pode impor uma derrota definitiva a direita e sua corja fascista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas